Avançar para o conteúdo principal

Voltar a saber ler

«Devemos ser leitores puros que lêem para ler, que sabem ler e lêem simplesmente. Homens que lêem uma obra só para a ver e compreender, só para a ler e acolhê-la, para alimentar-se e nutrir-se, como de um alimento precioso para crescer, para adquirir valor, interiormente, organicamente.»

Homens que sabem ler e sabem o que significa ler, isto é, penetrar dentro de uma obra. Muitas vezes fazer-me uma pergunta ingénua: mas o senhor lê todos os livros que lê ou cita?
Ler é uma arte que se aprende com um pouco de paixão pessoal, compromisso e exercício, mas também com uma predisposição de partida, com um dote da natureza. E esta arte compreende a capacidade de percorrer o texto com inteligência, sem o pedantismo de quem segue de forma mecânica, linha por linha, sem gradações e capacidades intuitivas.
Trata-se de uma arte cada vez mais abandonada nos nossos dias televisivos, confiados ao imediatismo das imagens, à superficialidade da piada, à banalidade da tagarelice.
Charles Péguy (1873-1914), poeta francês, recorda-nos com as palavras que citei acima, quão importante é a leitura que «penetra dentro de uma obra», a leitura autêntica que é o nutrimento da alma ("nutrimentum spiritus", lia-se no frontão de antigas bibliotecas.
Estilo e enredo, imagens e descrições estão - nas obras de valor - intimamente entrelaçadas com a mensagem, e é por isso que sabem conquistar fantasia e pensamento, emoção e vontade.
É claro que nem todos os livros são assim, muitas são as páginas só para folhear, outras até a serem evitadas. Mas nos nossos dias é necessário voltar a ler e a reflectir, a compreender e a acolher dentro de si uma mensagem, na pacatez da verdadeira leitura.

P. (Card.) Gianfranco Ravasi
In Avvenire
Trad.: SNPC
Imagem: diy13/Bigstock.com
Publicado em 24.04.2018

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.