Avançar para o conteúdo principal

Eduardo Sá. “Contentamo-nos nas relações, com medo que não venha mais ninguém”

Divórcios a suaves prestações e solidões assistidas. Ao Observador, e por causa do novo livro, Eduardo Sá diz que somos preguiçosos nas relações e não sabemos amar. Morremos para a vida e não de amor. 


Estamos a viver uma “solidão assistida” porque desaprendemos ou não sabemos amar. Entregamo-nos à rotina dos dias e aos gestos indiferentes. Divorciamo-nos em “suaves prestações”. Devia haver uma agenda de namoro, uma espécie de “namorário” que, tal como o calendário da escola dos filhos, devia morar colado à porta do frigorífico. Estas são apenas algumas das ideias de Eduardo Sá, o psicólogo clínico que já quase dispensa apresentações.
Em entrevista ao Observador (depois de em 2014 ter-nos dito que “os bons filhos são aqueles que nos trazem problemas”), o também psicanalista e professor na Universidade de Coimbra e no ISPA fala sobre como “fomos muito mal educados para as relações amorosas” e como nos contentamos com medo de que não venha mais ninguém.
A propósito do novo livro — “Quem nunca morreu de amor” (Lua de Papel) –, Eduardo Sá explica ainda que o amor dá trabalho e deve ser sempre vivido como se fossemos adolescentes, mas também como hoje somos muito mais sinceros nas lides do coração: “Acho isso importante, que as pessoas se divorciem. Acredito sinceramente que as pessoas só se divorciam porque querem amar.”

Continuar a ler a entrevista AQUI em OBSERVADOR

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.