Avançar para o conteúdo principal

Muita comunicação, pouca verdade

A ilusão de estarmos à distância de dois toques com a ponta do dedo pode criar a ideia de estarmos próximos... Não, não estamos.

Já quase ninguém se obriga a preparar com cuidado o que vai dizer. Um encontro, um diálogo ao telefone ou uma mensagem escrita merecem cada vez menos atenção ao detalhe. O discernimento e o acerto dependem muito mais da qualidade do que da quantidade das palavras.

Sentimos a obrigação de comunicar tanto que acabamos por não nos preocupar em dizer tudo, de forma completa, cuidada e ponderada, tal como devia ser. Julgamos, mal, que teremos sempre mais e mais oportunidades.
Se hoje me esqueci de dizer algo, julgo que não terei dificuldade em dizê-lo depois. E esquecemo-nos sempre de coisas... a maior parte das vezes, das mais importantes.
Falamos tanto, e de forma tão despreocupada, que nos desvalorizamos a nós mesmos por não sermos capazes da verdade que os outros precisam – e que nós merecemos.
Comunica-se muito, mas cada vez há mais confusões, equívocos e discórdias. As palavras servem para nos desentendermos.
Pessoas diferentes falam idiomas diferentes. As mesmas palavras têm significados, pesos e valores diferentes, por vezes até para uma mesma pessoa em tempos e espaços distintos... até há quem mude de referências de um momento para o outro.
Com uma comunicação tão volumosa, flexível e constante, cada palavra perde sentido face ao todo.
O silêncio é hoje, mais do que nunca, um valor absoluto, pela paz de que é capaz. O silêncio pode ser uma arma que isola e sufoca, mas também é só no silêncio que se diz a verdade e se pode ser feliz.
… e é ao silêncio que cabe sempre a última palavra…

IMISSIO
Ilustração de Carlos Ribeiro

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.