Avançar para o conteúdo principal

Muita comunicação, pouca verdade

A ilusão de estarmos à distância de dois toques com a ponta do dedo pode criar a ideia de estarmos próximos... Não, não estamos.

Já quase ninguém se obriga a preparar com cuidado o que vai dizer. Um encontro, um diálogo ao telefone ou uma mensagem escrita merecem cada vez menos atenção ao detalhe. O discernimento e o acerto dependem muito mais da qualidade do que da quantidade das palavras.

Sentimos a obrigação de comunicar tanto que acabamos por não nos preocupar em dizer tudo, de forma completa, cuidada e ponderada, tal como devia ser. Julgamos, mal, que teremos sempre mais e mais oportunidades.
Se hoje me esqueci de dizer algo, julgo que não terei dificuldade em dizê-lo depois. E esquecemo-nos sempre de coisas... a maior parte das vezes, das mais importantes.
Falamos tanto, e de forma tão despreocupada, que nos desvalorizamos a nós mesmos por não sermos capazes da verdade que os outros precisam – e que nós merecemos.
Comunica-se muito, mas cada vez há mais confusões, equívocos e discórdias. As palavras servem para nos desentendermos.
Pessoas diferentes falam idiomas diferentes. As mesmas palavras têm significados, pesos e valores diferentes, por vezes até para uma mesma pessoa em tempos e espaços distintos... até há quem mude de referências de um momento para o outro.
Com uma comunicação tão volumosa, flexível e constante, cada palavra perde sentido face ao todo.
O silêncio é hoje, mais do que nunca, um valor absoluto, pela paz de que é capaz. O silêncio pode ser uma arma que isola e sufoca, mas também é só no silêncio que se diz a verdade e se pode ser feliz.
… e é ao silêncio que cabe sempre a última palavra…

IMISSIO
Ilustração de Carlos Ribeiro

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.