Avançar para o conteúdo principal

Amor, o pilar da existência


Aquilo que vemos depende da altura a que somos capazes de chegar com o olhar... não a partir da altura do nosso corpo, mas da elevação do nosso espírito.

Somos a altura, a distância e os horizontes que alcançamos.
Há um tempo e um espaço em que nos devemos distanciar do mundo e dos outros. Elevarmo-nos acima de tudo o que nos prende à lama e nos afasta do céu.
Por vezes, mais do que tentar mudar os que estão à nossa volta, importa sermos capazes de garantir que não nos deixamos rebaixar pelo mal que nos rodeia.
Há muitas pessoas que se perdem a erguer artifícios e, pretendendo agradar aos outros, acabam por desperdiçar as suas forças e talentos em favor de algo que apenas as degrada.
As paixões e os apetites duram sempre pouco, porque se constroem em cima de desejos e fantasias que são sempre passageiros e, na maior parte dos casos, cheios de nada.
Há quem consiga ascender pela maldade, outros são derrubados por serem bons. Mas as contas não devem ser feitas antes de que tudo esteja terminado.
Um bom apoio deve conferir segurança e não se sobrepor àquilo que sustenta. Ser firme, justo e definitivo.
Só com fundações profundas se pode erguer uma estrutura capaz de suportar o peso dos sofrimentos e dos sonhos de alguém, sem tremer ou vacilar, ainda que, em cima, tudo se amedronte e desequilibre.
Só o amor fortalece o amor.

(ilustração de Carlos Ribeiro)

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.