Avançar para o conteúdo principal

A liberdade não decide o bem e o mal


A vida é feita de escolhas que nos definem. A liberdade humana é tão radical que, partindo da nossa natureza, deixa tudo o mais em aberto.


Sermos simpáticos ou antipáticos é uma decisão nossa, que se vai construindo em função das sucessivas escolhas que fazemos nesse sentido. É porque decido sorrir na maior parte das situações que me torno sorridente, o que faz de mim alguém simpático.

Contudo, só é livre quem for capaz de responder sobre a razão que determinou as suas escolhas. Um não sei nunca é uma resposta séria. A independência é uma condição necessária da liberdade, mas não é condição suficiente. Há muita gente que é independente, mas não é livre, porque lhes falta um compromisso interior que defina o seu rumo, enfrentando todas as condições que os empurram, de forma mais ou menos subtil, para outros destinos.

Ser livre não é ser revoltado, é, antes sim, estabelecer e cumprir regras para si mesmo.

A obediência pode ser um sinal claro de uma liberdade maior. Decidir é exercer a liberdade. Decidir obedecer, se for intencional (unindo consciência e vontade), é levar a liberdade ao limite do infinito!

A liberdade é uma lucidez. Não vive de ilusões. Cria as condições concretas para o sucesso da sua vida.

Ninguém pode decidir o que é o bem ou o mal, nem onde fica a fronteira que os separa. O bem é bem, mesmo que muitos julguem que não. A bondade e a maldade são independentes do que possamos julgar a seu respeito.

Dia a dia, passo a passo, momento a momento… devemos cultivar a sabedoria que coloca o amor como finalidade da existência.

José Luís Nunes Martins
IN: http://rr.sapo.pt/artigo/78682/a_liberdade_nao_decide_o_bem_e_o_mal

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.