Avançar para o conteúdo principal

A arte de corrigir

Vivemos hoje em plena era tecnológica, o triunfo da correção automática. Telemóveis, iPhones, iPads… Os teclados colocados à nossa disposição são tão ágeis que nem precisamos de olhar para eles. Podemos digitar uma mensagem a uma velocidade recorde, sem especiais preocupações, pois o automatismo do dispositivo vai alterando e (supostamente) corrigindo os nossos erros de escrita. A publicidade, cada vez mais agressiva, explica que o corretor automático tem a enorme vantagem de nos fazer poupar tempo. Mas tempo para quê? Nas relações interpessoais existe também a tentação da correção automática. Quando, por exemplo, nos agarramos como a um totem à letra da lei, ao ditado de uma tradição, aos escritos de um ponto de vista sem olhar a mais, como resolução para todos os problemas que surjam. Ou quando desatamos a corrigir os outros por tudo e por nada. Nem precisamos de olhar para as pessoas. Basta-nos citar maquinalmente o número da regra que estão a infringir naquele momento, ou a nossa prescrição avulsa que resolve tudo.
Sem dúvida que dessa forma se poupa tempo. Mas sabemos que a vida não é assim. A vida é uma construção paciente. A sua maturação, não só a externa mas também a interior, segue um processo delicadíssimo. Os seus fios são ténues e frágeis mesmo quando parecem longos e indivisíveis. Se quisermos chegar à fonte escondida de um coração, temos de aceitar andar muito devagar. Pode ser um exercício extenuante, mas não há outra forma. O termo que mais vezes vem utilizado para designar o ato de correção, tanto no grego clássico como nos textos cristãos das origens, é noutheteîn, que significa literalmente pôr no coração, colocar na sua mente, prestar atenção a. O contrário, portanto, da indiferença ou do confronto impreparado e prepotente, que são as nossas patologias mais frequentes na relação com os outros e com as suas fraquezas. Platão, no diálogo denominado Eutidemo (248e), assina a frase seguinte. “Amo-te, mas corrijo-te com amizade”, o que já de si é um programa. O termo será depois muito utilizado por São Paulo e pelo ambiente paulino como palavra que deve reorientar, mas sem esmagar ou exasperar, aquele que a recebe. É, por exemplo, interessante olhar a sucessão de verbos que nos surge em 1 Tessalonicenses 5, 14: exortar, corrigir, encorajar, amparar e suportar. Estes verbos iluminam-se e explicam-se mutuamente.
Por sua vez, o termo latino corrigere (cum-regere) significa reger, governar, inspecionar juntamente, acentuando assim a dimensão relacional que deve estar presente na experiência da correção. O ato de corrigir implica necessariamente afeto, atenção, cuidado, relação. É alguma coisa que se faz a par. A correção não é, por isso, monopólio de ninguém. É uma ferramenta para construir vida, e vida qualificada. Para corrigir é preciso este conhecimento empático e franco, esta benevolente abertura ao outro, esta sabedoria que não sublinha a falta ou a fraqueza mais do que a dignidade da pessoa.
A correção, portanto, não só não é automática como não deve ser espontânea. Não é uma descarga emocional que mistura impaciência e frustração. Não é uma explosão de humor. A correção supõe uma aprendizagem. Seria, por isso, absurdo considerar a correção como um fim: ela é uma mediação colaborativa, um suporte para a construção esperançosa. Ajuda a ser. Nada mais. Corrigimos melhor quando encaramos de forma solidária a dificuldade em jogo e apostamos com confiança na superação da prova. E temos sempre de evitar que a correção seja a única forma de relação que temos com alguém. Quem só corrige não corrige.


Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.