Avançar para o conteúdo principal

A arte de corrigir

Vivemos hoje em plena era tecnológica, o triunfo da correção automática. Telemóveis, iPhones, iPads… Os teclados colocados à nossa disposição são tão ágeis que nem precisamos de olhar para eles. Podemos digitar uma mensagem a uma velocidade recorde, sem especiais preocupações, pois o automatismo do dispositivo vai alterando e (supostamente) corrigindo os nossos erros de escrita. A publicidade, cada vez mais agressiva, explica que o corretor automático tem a enorme vantagem de nos fazer poupar tempo. Mas tempo para quê? Nas relações interpessoais existe também a tentação da correção automática. Quando, por exemplo, nos agarramos como a um totem à letra da lei, ao ditado de uma tradição, aos escritos de um ponto de vista sem olhar a mais, como resolução para todos os problemas que surjam. Ou quando desatamos a corrigir os outros por tudo e por nada. Nem precisamos de olhar para as pessoas. Basta-nos citar maquinalmente o número da regra que estão a infringir naquele momento, ou a nossa prescrição avulsa que resolve tudo.
Sem dúvida que dessa forma se poupa tempo. Mas sabemos que a vida não é assim. A vida é uma construção paciente. A sua maturação, não só a externa mas também a interior, segue um processo delicadíssimo. Os seus fios são ténues e frágeis mesmo quando parecem longos e indivisíveis. Se quisermos chegar à fonte escondida de um coração, temos de aceitar andar muito devagar. Pode ser um exercício extenuante, mas não há outra forma. O termo que mais vezes vem utilizado para designar o ato de correção, tanto no grego clássico como nos textos cristãos das origens, é noutheteîn, que significa literalmente pôr no coração, colocar na sua mente, prestar atenção a. O contrário, portanto, da indiferença ou do confronto impreparado e prepotente, que são as nossas patologias mais frequentes na relação com os outros e com as suas fraquezas. Platão, no diálogo denominado Eutidemo (248e), assina a frase seguinte. “Amo-te, mas corrijo-te com amizade”, o que já de si é um programa. O termo será depois muito utilizado por São Paulo e pelo ambiente paulino como palavra que deve reorientar, mas sem esmagar ou exasperar, aquele que a recebe. É, por exemplo, interessante olhar a sucessão de verbos que nos surge em 1 Tessalonicenses 5, 14: exortar, corrigir, encorajar, amparar e suportar. Estes verbos iluminam-se e explicam-se mutuamente.
Por sua vez, o termo latino corrigere (cum-regere) significa reger, governar, inspecionar juntamente, acentuando assim a dimensão relacional que deve estar presente na experiência da correção. O ato de corrigir implica necessariamente afeto, atenção, cuidado, relação. É alguma coisa que se faz a par. A correção não é, por isso, monopólio de ninguém. É uma ferramenta para construir vida, e vida qualificada. Para corrigir é preciso este conhecimento empático e franco, esta benevolente abertura ao outro, esta sabedoria que não sublinha a falta ou a fraqueza mais do que a dignidade da pessoa.
A correção, portanto, não só não é automática como não deve ser espontânea. Não é uma descarga emocional que mistura impaciência e frustração. Não é uma explosão de humor. A correção supõe uma aprendizagem. Seria, por isso, absurdo considerar a correção como um fim: ela é uma mediação colaborativa, um suporte para a construção esperançosa. Ajuda a ser. Nada mais. Corrigimos melhor quando encaramos de forma solidária a dificuldade em jogo e apostamos com confiança na superação da prova. E temos sempre de evitar que a correção seja a única forma de relação que temos com alguém. Quem só corrige não corrige.


Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -