Avançar para o conteúdo principal

Quando acaba o amor no casal é preciso «não condenar» nem «fazer casuística», mas «caminhar» com ele, diz papa

O papa vincou na última sexta-feira, no Vaticano, que a Igreja tem o dever de acompanhar os membros de um casal que deixam de estar unidos pelo amor, em vez de os criticar ou de os analisar à luz de argumentos subtis.
«[Quando] o amor fracassa, porque muitas vezes fracassa, devemos sentir a dor do fracasso, acompanhar as pessoas que tiveram este fracasso no próprio amor. Não condenar. Caminhar com eles. E não fazer casuística com a sua situação», vincou Francisco, segundo a Rádio Vaticano.
As palavras do papa foram proferidas na homilia da missa a que presidiu, intervenção baseada no Evangelho proclamado nas eucaristias de hoje (cf. Artigos relacionados), em que um grupo de fariseus pergunta a Jesus se um homem pode repudiar a sua mulher.
«Sempre o pequeno caso. E esta é a armadilha: por trás da casuística, por trás do pensamento casuístico, há sempre uma armadilha. Sempre. Contra as pessoas, contra nós, contra Deus, sempre», vincou.

A resposta de Jesus, que se desloca «da casuística para o centro do problema» e para o «início da revelação» bíblica, começa por explicar o motivo pelo qual no Antigo Testamento era permitido o repúdio, mas logo a seguir aponta para a intenção originária de Deus a respeito do ser humano.
«No princípio da Criação, “Deus fê-los homem e mulher. Por isso, o homem deixará pai e mãe para se unir à sua esposa, e os dois serão uma só carne”. Deste modo, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu», lê-se no Evangelho segundo S. Marcos, citado por Francisco.
Para o papa, a união entre homem e mulher é imagem do «amor» que Deus «tem para com o seu povo», como S. Paulo vai desenvolver mais tarde, ao explicitar que «Cristo desposou a Igreja».
«Como o Pai tinha desposado o Povo de Israel, Cristo desposou o seu povo. Esta é a história do amor, esta é a história da obra-prima da Criação. E diante deste caminho de amor, deste ícone, a casuística cai e torna-se dor», assinalou.
Perante esta imagem, Francisco voltou a salientar que «não se pode compreender Cristo sem a Igreja, e não se pode compreender a Igreja sem Cristo».
O Evangelho de hoje é fonte que inspira a meditação no «caminho de amor do matrimónio cristão, que Deus abençoou na obra-prima da sua Criação», bênção «que nunca foi tirada», já que «nem mesmo o pecado original a destruiu».
A leitura bíblica, prosseguiu o papa, permite observar «quão belo é o amor, quão belo é o matrimónio, quão bela é a família», ao mesmo tempo que realça a «proximidade» que a Igreja deve ter «pelos irmãos e irmãs que na vida tiveram a desgraça de um fracasso no amor».

A homilia terminou com Francisco a pedir a Deus «a graça» de nunca se cair nas «atitudes casuísticas dos fariseus, dos doutores da lei».

Rui Jorge Martins
In:http://www.snpcultura.org/quando_acaba_amor_no_casal_preciso_nao_condenar.html

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.