Avançar para o conteúdo principal

À escuta da família. Artigo de Enzo Bianchi

Em vista do Sínodo dos bispos sobre a família, foi publicado na França um importante livro com as contribuições de 36 teólogos consultados pelo episcopado francês. O livro foi traduzido ao italiano pelas Edizioni Qiqajon, intitulado La famiglia tra sfide e prospettive [A família entre desafios e perspectivas] com um amplo posfácio do prior de Bose, Enzo Bianchi.
Um trecho do posfácio foi publicado no blogue Sperare per Tutti, em 07-10-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O anúncio do matrimónio cristão é claro e exigente, porque, na relação entre homem e mulher, que vivem uma história de amor, que estão ligados na aliança da palavra dada, está significada a aliança fiel entre Deus e o seu povo; mas é preciso manter viva a consciência de que nós nunca somos capazes de manifestar plenamente a fé de Deus, que é fiel mesmo que o seu povo seja sempre infiel.
Nós, cristãos, devemos comunicar essa mensagem exigente pondo-nos de joelhos e dizendo, humildemente, que é uma palavra do Senhor, não nossa, uma palavra que anunciamos sem presunção nem arrogância, sabendo que viver o matrimónio na fidelidade e no amor renovado é uma obra árdua, difícil, fatigante, impossível sem a ajuda da graça de Deus e, em todo o caso, nunca vivida plenamente, mas sempre contrariada por misérias, fraquezas e por aquele egoísmo que nos habita até a morte. (...)

Esse anúncio evangélico certamente não pode ser mudado pela Igreja, embora escandalize não só o mundo, mas também os próprios cristãos, como demonstra a reação dos discípulos às palavras de Jesus: "Se a situação do homem com a mulher é assim, então é melhor não se casar" (Mt 19, 10).
Mas, diante dessa clara vontade de Jesus, a Igreja, justamente ao anunciá-la em verdade, sem mudar a doutrina, deve ter a coragem de expressá-la com palavras novas, compreendendo sempre melhor tal anúncio.
Como afirmava o Papa João XXIII, referindo-se à tarefa que aguardava pelo Concílio: "Não é o Evangelho que muda. Somos nós que começamos a compreendê-lo melhor" (24 de maio de 1963).
Por isso, na convicção de que a forma e a identidade da família, muito diversificada nas diversas sociedades e culturas, mudada várias vezes ao longo dos séculos, no nosso Ocidente, conheceu profundas e rápidas mudanças nas últimas décadas, hoje, nós, Igreja, devemos nos pôr à escuta das famílias ou, melhor, dos homens e das mulheres do nosso tempo, que vivem a história do matrimónio de um modo novo em relação ao passado.
A Igreja deve olhar na cara dos homens e das mulheres de hoje, das suas fragilidades e fraquezas, e não só do seu desejo de família, como dizem várias vezes os documentos sinodais, mas também dos medos e das incertezas a respeito da família. Só a partir de uma escuta atenta, amorosa, não tendenciosa e não presunçosa do atual esforço para construir e viver a família é que poderá nascer um olhar sobre ela e sobre as suas vicissitudes marcado pela alegre bem-aventurança, mas às vezes também por sofrimento e morte.
Não se esqueça, além disso, que o juízo sobre a realidade matrimonial é representado pelas palavras radicais de Jesus: "Todo aquele que olha para uma mulher e deseja possuí-la, já cometeu adultério com ela no coração" (Mt 5, 28). São palavras que interrogam a todos: quem não cometeu esse pecado?
Nas histórias de amor, o caminho é acidentado, e também para os fiéis pode acontecer a contradição da aliança nupcial. Também pode acontecer a separação, que às vezes até se impõe e certamente não é um pecado nem uma culpa, como o Papa Francisco recordou recentemente.
Sim, hoje, muitos cristãos se encontram nessa situação de dilaceração, e a sua presença deve interrogar toda a Igreja.

in http://fraternitasmovimento.blogspot.pt/2015/10/a-escuta-da-familia-artigo-de-enzo.html

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.