Avançar para o conteúdo principal

NÃO HÁ NATAL SEM FAMÍLIA


Natal da vulgaridade ...ou Natal de Deus?

Tudo na vida tem o seu tempo com fases de intensidade diferentes. Nascer, crescer, viver e morrer marcam tempos de vida aos quais vamos atribuindo memórias que, não raro, podem cair na vulgaridade. Mas memórias são passado. No caso específico do Natal, a vulgaridade vai aparecendo espelhada num frio materialismo que, não só esquece as nossas memórias como, também, nos faz mergulhar na sede de um hoje de "compra, usa e deita fora".

Neste hoje, infelizmente o Natal vai-se tornando não raro numa celebração fictícia ou destituída de significado para muitos dos adultos que se afirmam cristãos, que já o viveram de modos muito diferenciados e, agora, quase e apenas o "suportam" em nome das crianças mais pequeninas. Como quer que seja, a atividade comercial apropriou-se de tal modo do Natal que a exterioridade se sobrepôs à interioridade. Sem interioridade...o homem arrefece. O verdadeiro Natal vai, assim, secando no coração da nossa história.

Daí as marcas de vulgaridade confrangedora que desenham a celebração natalícia em nome do "deus dinheiro" que tudo compra num frenesim de clara pobreza. Esqueceram-se as raízes e a razão do Natal, o mundo em que nasceu, a mensagem que trouxe aos homens "de boa vontade" e, muito mais importante, o que pretende ser no hoje da nossa história.
O Natal nasceu no coração de uma família humana. Vindo da família do Deus trino, o Verbo tornou-se o Emanuel -- Deus connosco no coração desta família humana. Será curioso salientar a intervenção do poder que obrigou a um recenseamento, o lugar (curral) onde se abrigaram José e Maria, a pobreza de uma manjedoura, um corpo a tiritar de frio, o bafo de animais numa clara alusão às invenções dos criadores de presépios, ou mesmo um conjunto de pormenores que os tempos vieram a acrescentar a um presépio sonhado pelas luzes da ribalta e do fascínio, mas não real. Esqueceu-se o núcleo do mistério: um Deus que quis nascer no seio de uma família humana aberta ao mistério de Deus. A abertura ao mistério é condição essencial para que o "faça-se em mim" de Maria torne possível o nascimento segundo a carne do Filho de Deus. Mas, porque teria Cristo querido nascer no seio de uma família? Não terá sido porque Ele quis que ela se tornasse família de Deus? Então, Natal será verdadeiro quando acontecer o "faça-se família" em mim no hoje da minha família.
Quando esquecemos o essencial, sempre acrescentamos ramagens enganadoras (sempre evitáveis) ao Natal dos homens e vamos esquecendo o Natal de um Deus que pretende estar connosco no hoje da nossa história. Ora o hoje da nossa história é transversal ao hoje da família humana, cujo coração nem sempre quer aceitar, respeitar e reanimar o projeto de Deus que é família. Digamos que gostamos de "embrulhar" o Natal na vulgaridade do individualismo em vez de o tentarmos redescobrir na sua essencialidade mais radical: um Deus presente em cada um de nós que, não sendo ilhas isoladas, somos elementos integrantes e agentes de construção da família humana que quer ser família de Deus.
A família assim vivida é terra semeada por Deus para que nela germinem não só os filhos dos homens, mas também o Filho de Deus que quis ser irmão de todos os homens no hoje da história. Aqui nasce o amor que irradia e é divinizado pela presença d'Aquele que assumiu a mesma natureza dos filhos dos homens. Natal sem amor é acontecimento inventado por quem se tornou impenetrável, por quem se desligou da fonte donde brotou para todos a misericórdia e o perdão.

Natal não está numa árvore iluminada, não está num presépio com figuras esculpidas, não está no sonho de ser criança...mas está no coração de cada um de nós a dar vida ao coração da família abençoada por Deus e contagiada pelos mesmos sentimentos que existiam no Senhor Jesus.

A Equipa Arciprestal da Pastoral Familiar de VNF

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.