Avançar para o conteúdo principal

"Divórcio católico??"

O patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, é hoje o entrevistado do Programa ECCLESIA (RTP 2, 15h30), antecipando os temas que vão estar em debate na terceira assembleia extraordinária do Sínodo dos Bispos, dedicada às questões da família.
Segundo o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, que rejeita a ideia de um ‘divórcio católico’, a Igreja Católica tem de se preocupar com a “complexidade” humana.
A assembleia sinodal que se inicia este domingo gerou “expectativas” na Igreja e na sociedade que D. Manuel Clemente diz “partilhar”.
Um dos assuntos mais discutidos na opinião pública foi o do acesso à Comunhão pelos divorciados, em particular os recasados.
Segundo o patriarca de Lisboa, a vida sacramental na Igreja Católica “tem de coincidir, na sua globalidade, com aquilo que Cristo propõe, não são atos desgarrados”.
“Eu comungo se estiver em comunhão, para acrescentar a comunhão: se tenho na minha vida uma rutura grave, concretamente no campo do Matrimónio, como é que posso comungar Cristo se não o comungo naquele outro sacramento?”, questiona.
Para o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, por outro lado, a Igreja “pode verificar e cada vez verifica mais” se efetivamente “aquele ato sacramental” do Matrimónio aconteceu.
“Não se trata de divórcio, trata-se de perceber a natureza do consentimento”, precisa.
O próximo Sínodo tem como tema os “desafios pastorais sobre a família” e será seguido por uma assembleia ordinária em 2015; só após a conclusão destes dois momentos serão apresentadas propostas a Francisco, a partir das quais poderá redigir uma exortação apostólica.
Lisboa, 02 out 2014 (Ecclesia) - PR/OC

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Oração de Consoada 2017

Maria de Nazaré, Contigo cantamos as maravilhas de Deus. A tua espera, hoje nos enche de alegria! Com ela aprendemos o prazer de esperar... e por meio dela vivemos agora habitados pelo infinito...
José, filho de David, A tua espera, hoje surpreende-nos... Estamos maravilhados, porque Deus Entra no nossa vida e na nossa história Para nos oferecer a esperança da vida eterna.
Jesus, Deus connosco, O desejo de ti, faz-nos hoje experimentar a tua presença viva, simples e dócil. Sentado à nossa mesa, convives connosco nesta noite E nos interpelas com a tua ternura.
Sagrada família de Nazaré, Neste Natal, faz-nos sair ao encontro Dos rostos concretos daqueles que mais precisam. Não nos deixes acomodar diante desta mesa rica, Mas interpela-nos diante da pobreza e da injustiça.
Deus, Pai nosso, Abençoa-nos e abençoa estes alimentos Que em família reunida tomamos. Mas não nos deixes cair na tentação da indiferença. Dai pão a quem tem fome e fome de justiça a quem tem pão.
Amen!

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.