Avançar para o conteúdo principal

Papa Francisco aos Noivos em Dia dos namorados - “Não devemos deixar-nos vencer pela cultura do provisório, que hoje nos invade a todos”

O Papa Francisco encontrou-se hoje no Vaticano com 25 mil noivos, por ocasião do dia de São Valentim, a quem pediu que vivam sem medo das “escolhas definitivas”.
“Hoje, muitas pessoas têm medo de fazer escolhas definitivas, por toda a vida, parece-lhes impossível. Hoje tudo muda rapidamente, nada dura muito”, declarou perante participantes vindos de 30 países, incluindo quatro portugueses, numa iniciativa promovida pelo Conselho Pontifício da Família sob o lema ‘A alegria do sim para sempre’.
“Não devemos deixar-nos vencer pela cultura do provisório, que hoje nos invade a todos”, acrescentou o Papa.
Francisco sustentou que a vida familiar deve ser construída não sobre a “areia dos sentimentos que vão e volta”, mas sobre “a rocha do amor verdadeiro, o amor que vem de Deus”.
“A família nasce deste projeto de amor que quer crescer, como se construísse uma casa que seja lugar de afeto, de ajuda, de esperança, de apoio”, prosseguiu.

Respondendo a três questões colocadas por representantes da assembleia, o Papa pediu que os noivos façam do seu casamento “uma verdadeira festa”, uma festa “cristã, não uma festa mundana”, mas “com Jesus”.
“É bom que o vosso casamento seja sóbrio e faça sobressair aquilo que é verdadeiramente importante. Alguns estão mais preocupados com os sinais exteriores, o banquete, as fotografias, o vestido e as flores: são coisas importantes numa festa, mas só se forem capazes de indicar o verdadeiro motivo da vossa alegria”, recomendou.
Francisco destacou que o matrimónio católico implica “estar juntos e saber amar-se para sempre” e precisa da oração.
“Senhor, dá-nos hoje o amor nosso de cada dia” foi a oração que sugeriu e fez repetir aos presentes, parafraseando o Pai-Nosso.
Segundo o Papa, a vida em conjunto é “uma arte”, um caminho de paciência e de beleza que se faz todos os dias e para o qual são necessárias “três palavras”, que já propôs noutras ocasiões: Com licença, obrigado e desculpa.
“Hoje, nas nossas famílias, no nosso mundo, tantas vezes violento e arrogante, há necessidade de muito mais cortesia”, precisou.
Francisco observou que a vida a dois deve manter viva “a consciência de que a outra pessoa é um dom de Deus, que se tem sempre de agradecer”.
“Sabemos todos que não existe a família perfeita. Nem marido perfeito nem mulher perfeita. Não vamos sequer falar da sogra perfeita...”, acrescentou, arrancando gargalhadas aos participantes no encontro.
A intervenção, aplaudida várias vezes pelos presentes, recordou ainda a tentação de “acusar o outro para se justificar a si próprio”.
“É um instinto que está na origem de muitos desastres. Aprendamos a reconhecer os nossos erros e a pedir desculpa”, declarou o Papa.
Francisco sublinhou a importância da “paz” em todos os lares, com pequenos gestos, para que os casais “nunca acabem o dia sem pedir-se perdão”.
“O casamento é um trabalho de todos os dias, um trabalho artesanal, porque o marido tem a missão tem a missão de fazer da esposa mais mulher e esta tem a missão de fazer do marido mais homem. Crescer em humanidade, como homem e mulher”, sustentou.
"Os filhos terão esta herança, de ter um pai e uma mãe que cresceram juntos, fazendo-se, um ao outro, mais homem e mais mulher", concluiu.
A audiência concluiu-se com uma oração, especialmente redigida para o evento, em várias línguas.
Os noivos receberam um presente, para a celebração do seu casamento: uma almofada de cetim para os anéis, com o brasão de armas do Papa.

Cidade do Vaticano, 14 fev 2014 (Ecclesia)


Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Oração de Consoada 2017

Maria de Nazaré, Contigo cantamos as maravilhas de Deus. A tua espera, hoje nos enche de alegria! Com ela aprendemos o prazer de esperar... e por meio dela vivemos agora habitados pelo infinito...
José, filho de David, A tua espera, hoje surpreende-nos... Estamos maravilhados, porque Deus Entra no nossa vida e na nossa história Para nos oferecer a esperança da vida eterna.
Jesus, Deus connosco, O desejo de ti, faz-nos hoje experimentar a tua presença viva, simples e dócil. Sentado à nossa mesa, convives connosco nesta noite E nos interpelas com a tua ternura.
Sagrada família de Nazaré, Neste Natal, faz-nos sair ao encontro Dos rostos concretos daqueles que mais precisam. Não nos deixes acomodar diante desta mesa rica, Mas interpela-nos diante da pobreza e da injustiça.
Deus, Pai nosso, Abençoa-nos e abençoa estes alimentos Que em família reunida tomamos. Mas não nos deixes cair na tentação da indiferença. Dai pão a quem tem fome e fome de justiça a quem tem pão.
Amen!

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.