Avançar para o conteúdo principal

Namorar noutro rumo - Dia dos Namorados

Devemos entender a palavra namorar como seduzir, encantar, cobiçar, apaixonar-se, prender, criar afetos e laços com alguém ou alguma coisa.
Quantas vezes nos indagamos sobre o sentido de namorar, na sociedade atual? Estarão os jovens preparados para namorar? Que sentido tem, nas nossas vidas, esta palavra tão fecunda?
E namorar será somente cortejar, desejar ou gostar de alguém?
Sem dúvida que a palavra namorar pode assumir vários contornos. Namorar pode ser entendido no sentido mais universal do vocábulo que é amar, ou então, no sentido mais íntimo e humano assumindo o sentido de apaixonar-se por algo ou por alguém. Neste caso, o namorar é também entendido como o afeto livre e gratuito entre casais e esposos, numa entrega plena no quotidiano, numa cumplicidade a dois para enfrentar a árdua caminhada.
O namoro assenta num acolhimento, numa dedicação, numa entrega, num diálogo amoroso que se assume e que se sente para enfrentar a vida.
Noutra dimensão, temos o namoro simples das coisas belas que existem na natureza e nos tornam felizes. Por isso, é imperioso namorar a família, a vida, as pessoas nas suas relações interpessoais, compreendendo o ritmo vertiginoso das mudanças da sociedade em permanente mutação, na qual vivemos.
Por último, o namoro culmina com um afeto sustentado e inspirado na fé, na capacidade de ouvir e escutar o outro para nos sabermos colocar no lugar do outro, para compreender e respeitá-lo numa dinâmica de relação que se vai fortificando pela vida fora apoiada no espírito de Jesus.
Urge namorar a Esperança, a Fé e a Vida. Namorar no silêncio, na paz e na justiça para ir ao encontro da Palavra Celebrada.


 Marta Guimarães
Equipa da Pastoral Familiar Arciprestal
Vila Nova de Famalicão

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.