Avançar para o conteúdo principal

Igreja, mãe de coração aberto - IX Jornadas da Pastoral Familiar

O Santo Padre confronta-nos com uma verdade infelizmente inquestionável. A família atravessa uma grande e profunda crise cultural, como tudo quanto implica ou exige vínculos consistentes. Quando sabemos e experimentamos – hoje mais do que nunca - que a família é a célula base da sociedade, devemos questionar-nos sobre as razões destas fragilidades dos vínculos matrimoniais e comprometermo-nos com testemunhos concretos de fidelidade trabalhando, assim, para que a família se torne verdadeiramente naquilo que ela é.
  Nem sempre é fácil para os casais preservar o essencial da família, particularmente nesta relação com a sociedade, estando dentro dela, sentindo-a no concreto a exercer uma influência muito tenaz. É mais fácil deixar-se contaminar por este espírito que destrói o essencial do que exercer influência. Daí que os casais cristãos, trabalhando na sua fidelidade e felicidade familiar, devem reconhecer que lhes compete um papel missionário de sair para ir ao encontro das famílias, dando-lhe consistência, ou seja, trabalhando os seus conteúdos estruturais e mergulhando nas suas feridas ou dramas, compreendendo-os para fazer laços de cumplicidade de modo que sejam destruídos ou eliminados.

  Concentrar-se no essencial da vida matrimonial para não ter medo do encontro com as periferias, com comportamentos e atitudes de quem percorre outros caminhos, exige formação. Daí a importância dos grupos familiares que rezam, refletem e se comprometem juntos, conhecendo-a no coração do mundo familiar como “sal” e “luz” na linguagem evangélica. Se os outros virem “as boas obras” duma vida familiar autêntica e coerente virão ao encontro daqueles que louvam a Deus.
  O Santo Padre, pensando nesta missão que compete às famílias, enumera três eixos à volta dos quais deve girar a vida familiar com incidência no mundo: “aprender a conviver na diferença”, “pertencer aos outros”, “transmitir a fé aos filhos” (E.G. 66). Nunca seremos todos iguais nos pensamentos e atitudes. Importa respeitar a diversidade mesmo não concordando. O egoísmo e individualismo são a fonte de muito relativismo que pretende, só e apenas, uma auto-satisfação. Só aprendendo, nos pequenos gestos a dar a vida, gratuitamente e sacrificadamente, mostramos que pertencemos a um bem maior do que nós e que pode exigir-nos sacrifícios. Se a família é convivência no diverso, é, particularmente, transmissão da fé como algo que se imita pelo testemunho que se dá e, simultaneamente, por uma doutrina que se transmite como mensagem de alegria e felicidade que poderá exigir um abraçar sofrimentos para chegar à Ressurreição.
  Quando isto entra nas preocupações quotidianas, compreendemos que “o matrimónio tende a ser visto como mera forma de gratificação afetiva, que se pode constituir de qualquer maneira e modificar-se de acordo com a sensibilidade de cada um”. Mas o matrimónio “não provém do sentimento amoroso, efémero por definição, mas da profundidade do compromisso assumido pelos esposos que aceitam entrar numa união de vida total” (E.G. 66).
  A Igreja nunca poderá fugir ou renunciar a esta expressão genuína duma antropologia autêntica com valores perenes e nunca desprovidos de atualidade. A Igreja propõe um estilo de vida, talvez exigente, mas com a certeza dum humanismo autêntico.
  A partir daqui, e numa nova consciência duma dimensão missionária, os casais cristãos, o que quer dizer, a Igreja, nunca poderão esquecer-se de que a Igreja é uma Igreja “em saída” com duas atitudes muito concretas.
  Em primeiro lugar, ela é “casa aberta do Pai”, “uma casa com as portas abertas” o que significa que “todos podem participar de alguma forma na vida eclesial, todos podem fazer parte da comunidade, e nem sequer as portas dos sacramentos se deveriam fechar por uma razão qualquer. Isto vale sobretudo quando se trata daquele sacramento que é a “porta”: o Baptismo. A Eucaristia, embora constitua a plenitude da vida sacramental, não é um prémio para os perfeitos, mas um remédio generoso e um alimento para os fracos”. (E.G. 47) Para muitos estas palavras podem ferir os ouvidos e incomodar interiormente. São, só e apenas, expressão dum Amor de Pai que faz festa com o Filho Pródigo e que vai à procura das ovelhas perdidas. Daí que o caminho a percorrer, na pastoral, me pareça verdadeiramente encorajante, embora sem resultados imediatos e, muitas vezes, sem aquelas certezas categóricas dum passado que marginalizava, dispensando-nos dum trabalho de fazer caminho com os outros. O acolhimento e atenção não está consignado em fórmulas mágicas do “posso” ou “não posso”, “devo” ou “não devo”. É muito mais profundo. O Papa diz: “estas convicções têm também consequências pastorais, que somos chamados a considerar com prudência e audácia. Muitas vezes agimos como controladores da graça e não como facilitadores. Mas a Igreja não é uma alfândega: é a casa paterna, onde há lugar para todos com a sua vida fatigante” (E.G. 47).
  Se a Igreja deve ser “acolhedora, com prudência e audácia” em segundo lugar, ela deve partir, sair, ir em direção das “periferias humanas” mas isto não significa “correr pelo mundo sem direção nem sentido”, pois nunca poderemos diminuir a força e o encanto do ideal evangélico.
  Só o caminho do amor autêntico é a estrada de Cristo e da Igreja e aqui valem os gestos muito concretos, nunca na mira do proselitismo de conquista, mas na concentração de gastar a vida sabendo que a encontraremos para nós e para os outros. Confirmaremos as nossas convicções, contactando com quem teve oportunidade de ver mas não quis seguir. Isso nos diz hoje Isaías na primeira leitura: “Reparte o teu pão, dá pousada aos pobres sem abrigo, leva roupa, não voltes as costas, tira do meio de ti a opressão, os gestos de ameaça, as palavras ofensivas, assim a “tua luz despontará como a aurora e brilhará na escuridão transformando a tua noite em meio-dia.”
  Nada é estranho à Igreja que vai ao encontro para oferecer o dom da alegria do Evangelho, correndo o risco de se “sujar com a lama da estrada”, mas acreditando que a luz do Espírito surgirá para bem duma sociedade nova, através de famílias novas que não temem a pressão doutras formas de convivências, mas prosseguem a estrada dum modelo que a Igreja saberá apontar na fidelidade ao Evangelho sem nunca trair a felicidade dos seres humanos. Deus Criou-nos para a felicidade, viu que o amor entre o homem e a mulher era maravilhoso e belo e saberá situá-lo na história dos tempos hodiernos, sobretudo através dum amor concreto e audaz a tantas situações periféricas que colocam em causa a qualidade do nosso cristianismo.
  Sejamos prudentes e audazes.
† Jorge Ortiga, A.P.
Famalicão, 8 de fevereiro de 2014.

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -