Avançar para o conteúdo principal

Famílias visitadas pela graça

A festa da Sagrada Família de Jesus, Maria e José é destinada a exaltar o facto de o Filho de Deus, vindo à terra, ter querido também Ele fazer parte de uma família. Deus reconhece, assim, que a família é o âmbito privilegiado em que nasce e deve ser educado o homem e o cristão.
São certamente grandes as diferenças entre a Sagrada Família e as nossas famílias: na de Jesus, o pai é apenas pai legal, a mãe é virgem e o filho provém diretamente de Deus. Nesse sentido, não é possível encontrar paralelos com a família de Nazaré.
Contudo, também esta família vive o quotidiano, como cada família, e nisso, pelo contrário, é certamente um modelo de relações humanas positivas: ternura, bondade, humildade, mansidão; são estas as características de uma vida quotidiana construtiva e consoladora. Todavia, também a família de Nazaré teve as suas cruzes e as suas penas, a começar pela perda de Jesus em Jerusalém, aos doze anos; e, depois, a morte do pai José, a partida de Jesus de Nazaré, afastando-se de Maria, para cumprir uma missão árdua e difícil, até aos dias terríveis da paixão, que fizeram de Nossa Senhora a mãe de todas as dores.

Muitas famílias se reconhecerão nesta imagem e se sentirão reconfortadas pelo exemplo da Sagrada Família nas muitas dores da existência quotidiana, com as doenças, as dificuldades económicas e as necessidades laborais que obrigam a viver longe de casa, até à morte das próprias pessoas queridas.
Há certas dificuldades, porém, pelas quais Jesus, Maria e José não passaram, como as que se devem aos defeitos, leves ou graves, dos membros de uma família. Invejas, ciúmes, pequenas e, por vezes, não tão pequenas crueldades, maus humores, nervosismos, incapacidade de entendimento e de aceitação mútuos. São estas as principais dificuldades que hoje fazem naufragar tantos projetos de vida comum e que ofuscam a existência de tanta gente. A família de Nazaré está presente, antes, com o exemplo de uma vida contrária a tudo isso.
Alguma solução e ajuda poderão, pelo contrário, ser-nos dadas por todas aquelas páginas da Escritura que mostram os sofrimentos de famílias em dificuldades, ensinando-nos também as formas de superá-las. Pensemos na história de Abraão, de Jacob ou de David, famílias de modo algum exemplares, que, no entanto, são visitadas pela graça do Senhor. Se cada família soubesse reconhecer a graça formidável do sacramento do Matrimónio, nela presente, também encontraria a força para superar desentendimentos e divisões e para curar diariamente as feridas a que a vida quotidiana não nos poupa.
Hoje, portanto, não nos é apresentado apenas um exemplo luminoso de vida familiar, mas muitos exemplos de famílias difíceis nas quais, porém, a graça de Deus atuou. É sobretudo essa graça que deve dar força às famílias em crise para superar os momentos difíceis e vencer a tentação de ceder ao naufrágio, infligindo assim muitos males à sociedade.
Peçamos a Jesus, Maria e José que velem pelas nossas famílias e lhes deem esperança nas dificuldades crescentes que hoje têm de enfrentar.

Card. Carlo Maria Martini

In Tomados de assombro, ed. Paulinas

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.