Avançar para o conteúdo principal

Orar requer mais coragem do que piedade

Esperar por Deus não significa que eu não tenha mais nada que fazer na vida espiritual, senão orar. A oração não é um casulo. Não entramos em oração, esperando simplesmente sair dela, na outra ponta do exercício, completamente amadurecidos no espírito, perfeitamente novos, totalmente acabados. Com todas as impurezas removidas. Limpos de toda a ferrugem. Com o coração renovado. A alma brilhante e radiante. A mente clara e cheia de certezas.
De forma nenhuma. Há demasiadas coisas nossas em nós, para que todas desapareçam. Nem deve ser assim. Não, a função da oração não é esquecer o ego. É conformar-nos com a versão superior que devemos ser, independentemente da situação em que nos encontramos. A oração é o processo que nos leva a tornarmo-nos mais parecidos com o modelo que Jesus cria para nós.
Orar não significa deixarmos de ser nós próprios. Significa, simplesmente, chegarmos a conhecer, claramente, o que é que temos de fazer para nos parecermos mais com a imagem de Jesus que devemos ser.

A oração confronta-nos connosco próprios e mede a distância entre quem e aquilo que somos, e quem e aquilo que Jesus é.
Observamos Jesus a confrontar as autoridades do tempo dele. Ordena aos sacerdotes e aos fariseus que limpem o templo e tirem das costas do povo as leis da sinagoga que o sobrecarregam. Ele ordena aos governantes que parem de viver à custa dos pobres. E chama-nos a fazer o mesmo!
Escutamos Jesus a pôr em risco a sua aprovação social, a arriscar a sua própria vida, ao falar em público contra a opressão do povo, quer pela sinagoga, quer pelo Estado. E pede-nos para fazer o mesmo!
Estar imersos na oração, realmente imersos na oração, queima as nossas almas. Força-nos a ver quão longe estamos ainda dos nossos próprios ideais. Desafia as imagens de bondade, piedade e integridade que projetamos.
Confronta-nos com o que realmente significa viver uma vida boa. Requer de nós coragem, mais do que simplesmente piedade.
Diz-nos, uma e outra vez: «Vem, segue-me!»
É no seguimento de Jesus, que desce do cimo da montanha ao longo das estradas do mundo, pelos locais públicos da cidade, até aos bairros de lata dos pobres, aos átrios dos governos e aos cartórios das igrejas, dizendo com João Batista: «Arrependei-vos e não volteis a pecar», que a oração recebe o seu selo de credibilidade indiscutível.

Joan Chittister
In O sopro da vida interior, ed. Paulinas

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.