Avançar para o conteúdo principal

Páscoa e(m) família - O “amanhã” da família é pascal

Depois da família se ter colocado ao espelho e embelezado, a partir da Palavra de Deus, a Páscoa é a porta aberta que a convida para o banquete pascal, para vislumbrar o dom da beleza de Deus, em Cristo Ressuscitado. É a certeza, que nas entrelinhas de uma vida marcada por tão sérias e cortantes adversidades, pode-se ler que o “amanhã” da família é pascal, como expõe Sophia de Mello Breyner Andresen, no poema A casa de Deus: “Aqui para além da morte da lacuna da perca e do desastre / Celebramos a Páscoa”, ou seja, a passagem para Aquele que não passa, como referia santo Agostinho.
Deste modo, a família percebe que não está só e jamais vive unicamente para si, mas transporta uma urgente e delicada missão: ser testemunha da ressurreição na vida quotidiana, ser portadora de uma boa notícia, capaz de ser poço no deserto da vida de tantas famílias sem emprego, sem alimento, sem habitação, sem mãe ou pai, sem filhos ou filhas.
De facto, o túmulo aberto é o novo sol que nasce, “é a liberdade que desperta e que canta” (J. A. Mourão, Quem Vigia o Vento não Semeia) é um convite a sair ao encontro dos outros, a comunicar a ressurreição, a oportunidade e o imprevisto de uma vida nova. Por isso, a Páscoa relança a missão do testemunho para que as famílias não se limitem ao espelhismo das suas certezas, mas possam reflectir, partilhando (em família) as dúvidas e as incertezas do amanhã que é transitório, delicado, imprevisto, mas onde o Ressuscitado quer habitar. Hoje, ó Família, que lugares andas a construir para o amanhã?
 Com efeito, a vida de Jesus Cristo Ressuscitado está escondida em nós, em cada família, como fermento que leveda o pão. Por isso, cada família é pro-vocada (chamada em favor de) a ser fermento, a entrar na dinâmica do dar(-se), a partilhar uma comunhão de vida com Deus e com outras famílias, a viver da luminosidade intensa da Luz pascal que, na família, a abraça e a faz sentir-se salva na luz; é chamada a cantar, uma vez mais, o aleluia pascal que contrasta ainda com os lamentos e gritos que provêm de tantas situações dolorosas: miséria, desemprego, fome, injustiças, doenças, guerras, violências e morte.
Discretamente, a Páscoa surge (na/para a família) tanto como um tempo belo de libertação das dores enterra­das, onde natureza e graça se unem para gerar vida nova; onde a família aprende a reconciliar e a integrar as suas feridas e se predispõe a viver em Cristo a alegria do banquete nupcial; e como tempo de libertação do maravilhamento, de palavras simples e gestos profundos.
Que a família possa abeirar-se com alegria do banquete pascal, sentar-se à mesa da Palavra e deixar-se habitar por ela, para que possa, mais do que “depor, testemunhar” (Enzo Bianchi, Para uma ética Partilhada) com/na vida que o Verbo faz-se carne, Caminho, Verdade, Vida e Esperança. Que ela possa recordar que, por mais sombras e noites de fé que possam existir, o Ressuscitado “abre um futuro” (Bento XVI, Jesus de Nazaré), lembra que existe sempre o «terceiro dia», isto é, que o amanhã da família é pascal.
 Diác. Nuno Vila Boas

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.