Avançar para o conteúdo principal

A experiência do Natal


Viver o Natal é nada mais nada menos do que fazer a experiência de um encontro interior entre aquilo que nos transcende e aquilo que é o dia a dia. Isto verifica-se sempre que passamos da rotina dos dias aos dias em que nos esforçamos por transformar a rotina em experiência do novo.
De facto todos os anos celebramos o Natal, cada um à sua maneira ou segundo as tradições locais e familiares… e isto é muitas das vezes rotineiro… mas quando o desejo do Natal arde no nosso íntimo, isto é, quando o mistério que o envolve, nos apanha vigilantes, preparados e despertos, então as centelhas da palavra semeada desabrocharão para nós como desafio e concretização da mudança. O habitual faz-se transcendência em nós. O mistério abre-se em experiência de um mais que nos deixa extasiados, maravilhados… naturalmente, esta experiência é uma experiência interior, do coração… não se vê. Ver com o coração é ver mais longe e mais largo; é superar o imediato e o supérfluo; é entrar noutra lógica, noutro dinamismo; é conquistar a esperança… Os nossos olhos vêm o horizonte a fechar-se, a desaparecer… o coração pelo contrário, abre os horizontes, faz desabrochar para o mistério revelado… Diria, vê como Deus vê!
Desta forma podemos dizer que Natal é este encontro entre dois corações que se vêm e se desejam mutuamente… O coração de Deus e o coração da humanidade, seja qual for a sua condição etária, cultural, religiosa, politica ou económica, encontram-se, ligam-se, batem a um mesmo ritmo cardíaco… por isso o natal não é tão somente aquilo que se vê, é muito mais do que o que conseguimos alcançar… O Natal é uma experiência pessoal e filial.

P.e Francisco Carreira

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.