Avançar para o conteúdo principal

A experiência do Natal


Viver o Natal é nada mais nada menos do que fazer a experiência de um encontro interior entre aquilo que nos transcende e aquilo que é o dia a dia. Isto verifica-se sempre que passamos da rotina dos dias aos dias em que nos esforçamos por transformar a rotina em experiência do novo.
De facto todos os anos celebramos o Natal, cada um à sua maneira ou segundo as tradições locais e familiares… e isto é muitas das vezes rotineiro… mas quando o desejo do Natal arde no nosso íntimo, isto é, quando o mistério que o envolve, nos apanha vigilantes, preparados e despertos, então as centelhas da palavra semeada desabrocharão para nós como desafio e concretização da mudança. O habitual faz-se transcendência em nós. O mistério abre-se em experiência de um mais que nos deixa extasiados, maravilhados… naturalmente, esta experiência é uma experiência interior, do coração… não se vê. Ver com o coração é ver mais longe e mais largo; é superar o imediato e o supérfluo; é entrar noutra lógica, noutro dinamismo; é conquistar a esperança… Os nossos olhos vêm o horizonte a fechar-se, a desaparecer… o coração pelo contrário, abre os horizontes, faz desabrochar para o mistério revelado… Diria, vê como Deus vê!
Desta forma podemos dizer que Natal é este encontro entre dois corações que se vêm e se desejam mutuamente… O coração de Deus e o coração da humanidade, seja qual for a sua condição etária, cultural, religiosa, politica ou económica, encontram-se, ligam-se, batem a um mesmo ritmo cardíaco… por isso o natal não é tão somente aquilo que se vê, é muito mais do que o que conseguimos alcançar… O Natal é uma experiência pessoal e filial.

P.e Francisco Carreira

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.