Avançar para o conteúdo principal

O meu Pai é como o mar...


Uma vez pediram-me para falar do meu Pai. Lembrei-me de uma história que ouvi há uns tempos acerca dum peixe a falar do mar.
Ele dizia que o mar era grande, que o conseguia sentir a passar-lhe nas guelras e que era algo tão essencial na sua vida, que as palavras lhe faltavam. Então fechava os olhos e limitava-se a senti-lo.
Hoje lembro-me dela, quando penso no meu pai.
Sei que ele é grande como o mar, no entanto ainda preciso de mergulhar ainda mais a fundo para melhor o conhecer. Sinto por ele algo inexplicável!
Diz coisas que eu ainda não entendo, mas é isso que me motiva a querer cada vez mais aproximar-me dele, fechar os olhos e confiar-lhe tudo quanto sou.
Desta forma, quero agradecer-lhe a vida que me deu, pois ele é o meu mar e só ele saberá proteger-me para sempre.
Joana e Rita Coelho

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.