Avançar para o conteúdo principal

Escola e professores são raízes da cultura

Escola e professores são raízes da cultura, diz papa a crianças, que o fizeram recordar infância na mais bela das cidades

«Nunca vos esqueçais dos primeiros mestres, nunca vos esqueçais da escola. Porquê? Escutai bem. Porque são as raízes da vossa cultura. O que significa desenraizado? Sem raízes. Eu não devo ser desenraizado, isto é, sem raízes. E por isso recordai a escola, os professores, na vida ajudar-nos-á sempre, manter as raízes para dar flores e frutos.»
Estas foram algumas das palavras que o papa transmitiu hoje, no Vaticano, aos mais de 500 alunos de escolas das periferias de Roma e Milão, no contexto do "Comboio das Crianças", iniciativa promovida pelo sexto ano consecutivo pelo Átrio dos Gentios, plataforma da Santa Sé para o diálogo entre crentes e não crentes coordenada pelo Conselho Pontifício da Cultura.
O tema do encontro foi "Cidade amiga", alusão à forma como as crianças sonham a requalificação dos seus bairros. E foi esse o mote para uma das perguntas que os pequenos viajantes colocaram a Francisco, nomeadamente quando Clara lhe pergunta como era o bairro em que viveu na infância.
«Eu morava na cidade mais bela do mundo! Em Buenos Aires, no bairro de Flores, que é um dos mais velhos da cidade», respondeu o papa, que prosseguiu a descrição: «É um bairro popular, não havia prédios altos, não, eram todas casas baixas. Nesse tempo os prédios altos eram muito poucos (...). Um bairro simples, e a 30 metros de casa havia uma praça belíssima, onde jogávamos futebol».
Nem só de pontapés na bola se fez a meninice do pequeno Jorge Bergoglio: havia concursos de lançamento de papagaios, com prémios para o mais bonito e para o que subia mais alto. E o carnaval, imperdível: «Fazíamos as marchas. Todos disfarçados de muitas coisas, cada um disfarçava-se como queria, e andávamos pelas ruas a cantar e batendo às portas das casas, pedindo alguma coisa para comprar chocolate».
Depois de outras questões colocadas por crianças católicas, mas também ortodoxas, muçulmanas, budistas e ateias, Francisco agradeceu as perguntas e os presentes - figurações em diferentes suportes do bairro dos sonhos dos participantes: «Estas coisas são maravilhosas, porque não fostes comprar qualquer coisa para trazer, fizeste-las vós».
«Isto é importante porque o fizestes com a inteligência, com as mãos, mas também com o coração. E quando uma coisa se faz com as três coisas, com a inteligência, com o coração e com as mãos, é uma coisa profunda e humana», acrescentou.
À chegada à estação de caminhos de ferro do Vaticano, as crianças de bairros caracterizados por várias fragilidades sociais e presença importante de famílias estrangeiras foram acolhidas pelo presidente do Conselho Pontifício da Cultura, cardeal Gianfranco Ravasi, ele próprio milanês, e por alunos de duas escolas da periferia romana.

Imagem Papa Francisco com participantes no "Comboio das Crianças" | Vaticano, 9.6.2018 | © Vatican News

Alessandro Di Bussolo/Vatican News
Trad./edição: SNPC
Imagem: Papa Francisco com participantes no "Comboio das Crianças" | Vaticano, 9.6.2018 | © Vatican News
Publicado em 09.06.2018

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.