Avançar para o conteúdo principal

Somos pelas famílias imperfeitas!

Estamos fartos de famílias "perfeitas" que falam do amor que não dão “pela positiva”
Estamos fartos de famílias demasiado normais. Consertadinhas até dizer “basta!”. “Bacteriologicamente puras” naquilo que dão. E liofilizadas em relação aos sentimentos que autorizam.


Estamos fartos de famílias que falam do amor que não dão “pela positiva”. Que inundam as redes sociais fazendo de conta que são felizes. E que parecem roubar a luz e a alma de todos os outros que, como se fossem resistentes, assumem que só as imperfeições humanas e a imensa liberdade que isso lhes traz os deixa amar.

Nós queremos, mesmo, que as famílias tenham o direito milenar a voltarem a ser iguais a si próprias: imperfeitas! E, quando estamos aconchegados nelas, queremos ter o direito a ser como somos. De “coração grande” e com “mau feitio”. Mesmo que isso traga consigo o direito a sermos “feios de parar o trânsito” e a um comboio de desabafos do género: “que diferença é que isso faz?…”, sobretudo quando nos sentimos ser o melhor do mundo para alguém. E queremos ter o direito ao quentinho que, mesmo nos dias de verão, só uma família nos sabe dar. E o direito a desarrumar e a ser ser desarrumado. E, conforme os dias, a fechar toda a desarrumação numa gaveta e, com o conhecimento de todos, a fazer de conta que ninguém nota. E queremos o direito a rir sem motivo nenhum e a chorar, devagarinho, “por nada”; ou, unicamente, “porque sim”. E queremos ter o direito ao melindre e aos arrufos, ao desabafo e à lamúria. E o direito a dizer “Quero colo e pronto!”; e não se fala mais nisso. E queremos ter o direito, para sempre, a andar, primorosamente, despenteados. E, ainda assim, a não haver nada que nos demova de acreditar que o nosso charme fica, ainda mais, irresistível. E o direito a desabotoar o coração e a trazê-lo “de fralda de fora”, todos os dias. E queremos que se salvaguarde o direito a não termos maneiras, ao fim de semana. E o direito a fazermos dietas e, ao mesmo tempo, a termos todos os “só hoje...” a que temos direito. E o direito à palermice, à “cara feia”, à carantonha e às caretas. E o direito a ter garra, a termos ganas e a ter fúrias. E queremos ter direito a cair e ao engasgo. O direito à fúria e a sermos parvos, com quotas e tudo. E o direito a sentarmo-nos no chão e a sujarmos a roupa, quando se brinca. E queremos ter direito a todos “Ele é assim!” com que, ternamente, há quem faça de conta que o nosso “feitio” não são caprichos, mas quando muito, “defeitos de fabrico”. E queremos ter o direito a uma birra, uma vez por semana, e a, pelo menos, uma asneira, de oito em oito horas. E o direito a ser um bocadinho irresponsáveis e irreflectidos. A ter o coração ao pé da boca. E até, mesmo, o direito a sermos desbocados. E queremos ter o direito ao mimo! E o direito a sermos medricas e, juntinho a isso, o direito a acreditar, com convicção, que ninguém nota. E queremos ter o direito a espirrar, com som, e a bocejar como o leão da Metro e, ao mesmo tempo, a achar que somos transparentes e que ninguém vê. E queremos ter o direito a pegar por tudo e a pegar por nada. E o direito a rezingar. A afagar os caracóis e a “dar na cabeça”. Queremos ter o direito a murmurar e ao amuo. O direito a mandar mensagens parvas. A dar likes, cara a a cara, a quem se ama, e a trocar smiles, de olhos nos olhos, só porque queremos. Queremos ter o direito a inventar. A mentir, com bondade, sempre que isso sirva para proteger ou para encantar. E o direito a fazer de conta, vezes a fio, e sempre que nos apeteça. E queremos, ainda, ter o direito a ser apanhadores de nuvens. E a descobrir nelas girafas, bruxas com verrugas e não sei o quê. E o direito a inventar a vida. O direito a ter fé no amor. E o direito a confiar, sem reticências, e de olhos fechados. Queremos ter o direito a acreditar que sempre que se pede um desejo e o guardamos para nós alguém nos lê, por dentro. E a acreditar que podemos não acreditar no Pai Natal que, mesmo assim, ele acredita em nós. 

Estamos fartos de famílias demasiado normais e consertadinhas. Daquelas que amam só depois de pensarem. E das outras que não entendem que se pode ser feliz e ter-se lágrimas. Queremos acabar com a família como “produto normalizado”! E queremos que ela seja só, para sempre, protegida. Como “reserva natural” das imperfeições humanas, claro! E que elas mesmas - as imperfeições, “em pessoa” - sejam “O Património” mais imaterial de tudo o que, sendo imaterial, existe e, só por isso, nos dá humanidade.

Queremos o direito a ter famílias imperfeitas. Daquelas que se assumem como o “patrocinador exclusivo” da memória. E só, por isso, nos fazem descobrir que sem pessoas imperfeitas não há amor!

Por Eduardo Sá

EDUARDO SÁ

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.