Avançar para o conteúdo principal

Eutanásia. Eanes não quer Estado a legislar no "espaço privado"

Em artigo de opinião no "Expresso", o antigo Presidente da República defende que legislar nesta área é "uma abusiva intromissão na sua esfera moral”. 


O ex-Presidente da República Ramalho Eanes escreve este sábado que é “inadmissível que haja um retrocesso relativamente à secularização emancipadora e que o Estado se intrometa no “espaço privado”, íntimo, do homem e sobre ele legisle”.
Eanes num artigo de opinião no “Expresso” dedicado à legalização da eutanásia afirma que tal tentativa de intromissão é uma perigosa regressão da cultura emancipadora do homem e “uma abusiva intromissão na sua esfera moral”.
“Nesse “espaço privado”, na moral, historicamente emancipada da vida política e da Igreja, ninguém, nenhum poder se deve intrometer", escreve António Ramalho Eanes.
"E é exatamente isso que a “vida política” está a fazer — a intrometer-se no “espaço privado”, da moral — ao pretender legislar sobre a eutanásia e a “morte assistida”, acrescenta.
O ex-presidente pergunta, "porque não legislar sobre o testamento vital, tornando-o obrigatório?"

E responde: "Todos os cidadãos deveriam decidir sobre se desejariam manter a vida, mesmo que só artificialmente suportada por equipamentos e/ou drogas, ou se pretenderiam, antes, que, em caso de nessa situação se encontrarem, os deixassem partir. Testamento vital, esse, que, com clara formulação, devidamente assinada, se poderia conter no cartão de cidadão."

Eanes diz que é aberrante que num suicídio “outrem pudesse participar”.

E entende que não é aceitável a participação legal de alguém naquilo que “moralmente”, participar não deveria.
E o ex-presidente deixa um apelo que ao invés de se liberalizar a morte se deveria ampliar e generalizar a qualidade dos cuidados paliativos. 

RENASCENÇA

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.