Avançar para o conteúdo principal

Que histórias contamos a nós mesmos?

O sentido da vida passa pela capacidade que temos de nos aproximar da verdade.
Se a vida nos dói ou dá alegrias, depende muito da forma como a interpretamos. As adversidades podem ser vistas como castigos ou como desafios.

Os episódios tristes do nosso passado tanto podem valer como um peso que havemos de carregar, como podem ter o valor de nos ter ensinado, à custa de grande sacrifício, muito sobre nós, sobre os outros e sobre o mundo em que vivemos.
Os sonhos passam a ser pesadelos logo que os julgamos impossíveis, bem como se começam a tornar reais assim que acreditamos neles, ao ponto de começarmos a construir o caminho para a sua concretização.
O sentido da vida passa pela capacidade que temos de nos aproximar da verdade.
Nos silêncios da vida podemos escutar-nos. Muitos fogem do fundo de si mesmos, escapam à própria consciência, tentam esconder o sussurro da verdade, sobrepondo-lhe barulhos, mais ou menos ruidosos, mais ou menos melodiosos, de todos os tipos, mas sempre vazios.
Se a nossa vida é um inferno sem fim ou um caminho para o paraíso que se deve merecer, é uma perspetiva pessoal, uma opção individual.
Se me fixo em todos os problemas do mundo e me sinto esmagado sob o seu peso, ou se enfrento um de cada vez, como se fosse o único antes de combater o próximo, é uma escolha minha. Só minha.
Recordo as derrotas ou as vitórias? Aprendo ou apenas revivo esses momentos vezes sem conta?
Em quem acredito? Quem são as minhas referências? Quem permito que me ensine?
Valorizo quem me valoriza pelo que sou? E quem me critica?
O que decido fazer depois de constatar que a felicidade não está onde julgava que a iria encontrar? Aprendo com isso? O que mudo? Mudo-me?
Sou eu que faço quem sou. Cabe-me escolher como deve ser vivida a minha história e lida a minha vida.
Afinal, o que quero eu?
Ser ou ter?
Dar ou receber?
Ser generoso ou egoísta?

Opinião de José Luís Nunes Martins

RENASCENÇA

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.