Avançar para o conteúdo principal

Confluências: O desejo de Deus, que ama o mundo, e o desejo do homem, que procura Deus

Cá entre nós: o desejo de Deus é tão natural no homem que a sua negação reiterada pode ser motivo para adoecer.
Conheci uma senhora muito rica que se encontra gravemente doente porque os seus pensamentos e desejos estão fechados, como se permanecessem numa garrafa selada quando, em bom rigor, gostariam de se entrelaçar com os pensamentos e desejos de Deus. «Alguém me ajude, por favor! Alguém que retire o selo desta garrafa e me ponha em contacto com o autor da vida», ouvia-a aos gritos, numa praça de Lisboa, na passada segunda-feira.
Se é verdade que «Deus amou de tal modo o mundo» ao ponto de se humanizar, isto é, de se tornar acessível a todos, sendo uma incontornável referência capaz de moldar uma cultura e de oferecer sentidos às aspirações mais profundas do coração humano, então porquê a sua rejeição? Quais as motivações? A verdade é que Ele nos configurou com um software que diariamente precisa de atualizações. E o homem, na sua boa vontade mal orientada opta, por vezes, pela versão pirateada de um programa que foi traçado desde a eternidade. Depois surge a insatisfação como um mal-estar crónico que não pode ser apressadamente rotulada de maleita para a moderna farmacologia. Digamos que essa insatisfação se assemelha a uma bateria que nos põe em movimento à procura de Deus, aqui e ali. Devidamente bem orientado, o homem pode semear e construir, ao invés de fragmentar e matar, desrespeitando os direitos do Autor.
Sim, o universo religioso, com os seus princípios normativos, oferece-nos a possibilidade de uma adequada realização dos desejos, essa carga de energia que nos foi fornecida pelo Criador. Digamos que a experiência religiosa oferece o mapa. Dota o ser humano do equipamento apropriado através do qual pode atravessar os percursos áridos, os desfiladeiros mais íngremes e as veredas mais sinuosas deste mundo. Estimula-o a prosseguir até alcançar a meta. É isto: a sabedoria espiritual, transmitida de geração em geração, proporciona ao crente o universo de sentidos capaz de sustentar a esperança, mesmo nos contextos mais adversos. E quando a leitura da fé esbarra na inexplicabilidade do mistério, ele sabe que a pergunta fica provisoriamente suspensa até ao dia em que «verá face a face». Digamos, por fim, que este universo religioso judaico-cristão foi e é o colo cultural no qual nascemos e nos sustentamos – porquê rejeitá-lo?
O desejo de Deus – de tal modo Ele ama o mundo – e o desejo do homem – de tal modo o homem procura Deus – confluem num tempo e lugar. Assim, os desejos da eternidade estão materializados culturalmente porque a cultura é a concretização de um sonho divino através do homem. Mas ela é uma obra inacabada, como lembra Eduardo Lourenço: «A cultura implica a continuidade dum esforço espiritual que se supera aprofundando-se». Cá entre nós: para rejeitar Deus e a sua proposta de «vida eterna» seria preciso «estar bem com o príncipe deste mundo», como escreveu Sophia no “Retrato de Mónica”, e desencadear uma luta feroz, diária e consistente, contra a cultura. Há quem o faça. Eu não aconselho.

SNPC

P. Nélio Pita, CM
Imagem: PHOTOCREO Michal Bednarek/Bigstock.com
Publicado em 10.03.2018

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.