Avançar para o conteúdo principal

EXPLORADOS, CANSADOS, SEM PAUSAS NEM PAZ


A nossa sociedade é implacável. Somos obrigados, através de uma sedução subtil, a uma atitude sempre muito produtiva e otimista.


O que fará pior ao nosso coração do que um falso otimismo, com que temos de nos mascarar todos os dias? Queremos com isso agradar aos outros, que também estão a fazer o mesmo, mas nós julgamos que lhes é natural!

Os nossos dias estão cheios de coisas. Transbordam de obrigações. Há estímulos a cada minuto e uma infindável cascata de informações sem importância que desviam a nossa atenção do que quer que estejamos a fazer.

É difícil concentrarmo-nos, cumprirmos uma tarefa do princípio ao fim, a nossa atenção parece estar condenada a fragmentar-se.

O pior é que deixamos de ter tempo para parar, descansar e nos fortalecermos.
Querem-nos escravos e a remar, todos no mesmo sentido. Os rebeldes são maus, apenas por serem rebeldes. Bom é ser igual. Todos querem ser diferentes uns dos outros, mas variações de uma mesma base. Até as diferenças são iguais. Perde-se a autenticidade. A originalidade. O caráter único de cada um de nós. Porque temos medo de ser... rebeldes.

Sonhamos sonhos produzidos por outros, compramo-los e julgamo-los nossos. Anestesiados, achamos que vamos na direção do bem, mas vamos a caminho do precipício, sorrindo e cantando, convictos que nos estamos a esforçar em vista do melhor...

Condenamos os que não fazem nada do que é moda, que não produzem o que é considerado valioso, acusamo-los de serem infelizes e de viverem sem objetivos. Nunca julgamos que talvez sejam eles que experimentam a vida como ela é... e nós, que não percebemos isso, apenas nos enganamos com uma cegueira voluntária face ao que é a verdade.
Quem não descansa, destrói-se, e os que não conseguem acompanhar este ritmo, sentem-se fracassados.

O tempo voa, foge... e há cada vez mais pessoas a viver a uma tal velocidade que não têm presente, apenas passado, contínuo e sem fim. Exploram-se a si mesmas, escravizam-se. Não se respeitam. Não reconhecem e aceitam os seus limites. Chamam motivação à voz agressiva que vive dentro de si e os obriga a produzir sem parar, aquilo que outros hão de comprar, por lhes ter sido injetado um desejo artificial.

Estamos cada vez mais perto de todas as lojas do mundo, mas cada vez é maior a distância até ao nosso mundo interior. Compramos o que dizem que precisamos e deixamos ao abandono os valores e desejos que são os pilares da nossa identidade.

Para que serve ganhar o mundo se nos perdemos a nós?

Faltam-nos silêncios.
Precisamos muito daqueles vazios onde criamos o belo, o autêntico. 
alta-nos paz.
.Acalmar e dormir descansado é o princípio da verdadeira paz. Depois, amar. Concretizado a cada dia, mais pelo desapego e a renúncia do que por qualquer tipo de cobiça, conquista ou posse.

José Luís Nunes Martins

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.