Avançar para o conteúdo principal

Eutanásia – a falsa campanha

Para alguns, este homem é um exemplo da indignidade humana.
Para outros é um hino à vida. 
 
Casos da Vida foi um conjunto de filmes exibidos pela TVI em 2010 em que eram dramatizados casos reais. Como já passaram oito anos e a produção de novas séries é dispendiosa, este canal faz como os outros e está a repetir a série. Apercebi-me disse quando, em árduo trabalho de zapping, apanhei um desses episódios. O pedido.
Trata-se de um jovem recém casado que é vítima de um acidente de moto 4 e fica tetraplégico. O drama da não aceitação da situação e a procura ansiosa pela morte constitui a espinha dorsal do filme que termina com a conclusão de que a eutanásia não é crime, mas acto de amor. É a própria esposa que corta o oxigénio provocando o fim do sofrimento e a morte. A amiga que mostra oposição ao homicídio é apresentada aos espectadores como alienada e parvinha.
A tensão dramática está sempre centrada no apelo ao sentimentalismo falacioso e a discussão sobre o tema proposto, a eutanásia, resume-se a uma sequência de mentiras factuais e científicas. A dialéctica entre a opção pela morte como meio de fuga ao sofrimento e a vida com os seus meandros e precariedade foi substituída por uma retórica entre viver como dono da Vida ou não viver de todo.
A única coisa importante da vida foi ocultada ou ignorada: a felicidade.
Algumas mentes não são capazes de entender a felicidade e a alegria e mesmo a realização pessoal de uma pessoa tetraplégica ou com outros constrangimentos. São mentes com horizontes curtos e pouco cultivadas.
Mesmo má é a falsificação de dados científicos apresentadas no filme, os choradinhos mal-intencionados que são feitos para convencer as pessoas enganando-as.
Para os autores do filme e os defensores da eutanásia, o cientista Stephen Hawking, a quem foi diagnosticada esclerose lateral amiotrófica, em 1963, quando tinha 21 anos, tinha o direito e o dever de optar pela eutanásia. Em vez disso, Hawking trabalhou como cientista e professor, limitado pela sua doença, pela incapacidade em se deslocar, falar, comunicando com o mundo quase apenas através de aparelhos electrónicos adaptados à sua pessoa e adquiriu a distinção de ser considerado um dos mais importantes cientistas do nosso tempo, senão a maior cérebro.
Quem tiver a curiosidade de ver o filme, pode ser encontrado nas boxes da televisão e, penso que também, no site da TVI, registe que a generalidade dos dados sobre a evolução clínica do doente e os dados supostamente científicos e clínicos são falsos.
Entenda-se, pois, que é com base em mentiras e na ignorância das pessoas em relação a muitos assuntos que está a ser feita a campanha pela liberalização e incitamento à eutanásia. Os verdadeiros defensores, os mentores desta campanha, apenas querem patentear um modo fácil de evitar enclausurar os velhos em hospitais, com falsas doenças, em lares, e mesmo outras pessoas com necessidades especiais (muitas vezes apenas necessidade de atenção) incluindo crianças, matando-os. Também o Estado poupa muito dinheiro, pois é mais barato matar os velhos e os doentes que cuidar deles.
A eutanásia que propõem é uma vergonhosa mentira.

Orlando de Carvalho
 

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.