Avançar para o conteúdo principal

Amar é dar a vida

O medo apresenta-se como uma das principais características da pessoa humana, sendo, muitas vezes, um obstáculo ao seu próprio caminho, isto é, à vivência da sua própria vida.


Um dia disseram-me que "o medo tolda-nos o pensamento". Impede-nos de pensar e de agir.

Tendemos a dificultar aquilo que não se nos apresenta como claro e distinto. Temos medo do que não vemos e que se apresenta incerto. Temos medo do que não conhecemos e que nos pode agarrar. Temos medo da dúvida e não arriscamos embarcar na esperança. Temos medo do desconhecido por não nos ser garantido. Temos medo da mudança porque tememos não ser felizes. Temos medo de dar um passo, ainda que isso signifique continuar no caminho errado.

Queremos amar. Mas temos medo.

Medo de arriscar; medo de embarcar; medo de confiar; medo de partir. Medo de ser entrega e medo de ser doação. Medo de ser inteiro e não parcial. Medo de ser todo e não apenas partes. 

"Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo." - Jo 21,17

Amar é dar a vida.
É ser todo. É ser por inteiro. É ser sem medida. É morrer para mim para (re)nascer, a cada dia, para o Outro.
Amar não é não ter medo. Amar é caminhar por entre as dúvidas com os pés assentes na Esperança.

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.