Avançar para o conteúdo principal

Amar é dar a vida

O medo apresenta-se como uma das principais características da pessoa humana, sendo, muitas vezes, um obstáculo ao seu próprio caminho, isto é, à vivência da sua própria vida.


Um dia disseram-me que "o medo tolda-nos o pensamento". Impede-nos de pensar e de agir.

Tendemos a dificultar aquilo que não se nos apresenta como claro e distinto. Temos medo do que não vemos e que se apresenta incerto. Temos medo do que não conhecemos e que nos pode agarrar. Temos medo da dúvida e não arriscamos embarcar na esperança. Temos medo do desconhecido por não nos ser garantido. Temos medo da mudança porque tememos não ser felizes. Temos medo de dar um passo, ainda que isso signifique continuar no caminho errado.

Queremos amar. Mas temos medo.

Medo de arriscar; medo de embarcar; medo de confiar; medo de partir. Medo de ser entrega e medo de ser doação. Medo de ser inteiro e não parcial. Medo de ser todo e não apenas partes. 

"Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo." - Jo 21,17

Amar é dar a vida.
É ser todo. É ser por inteiro. É ser sem medida. É morrer para mim para (re)nascer, a cada dia, para o Outro.
Amar não é não ter medo. Amar é caminhar por entre as dúvidas com os pés assentes na Esperança.

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.