Avançar para o conteúdo principal

E a pastoral familiar avançará

Acabamos de ouvir uma passagem do Evangelho onde Jesus Cristo se apresenta como o “Caminho, a Verdade e a Vida” e desenha um itinerário para todas as dimensões da vida humana. Nele encontramos também a verdade sobre a família.
Um caminho para nortear o quotidiano dos lares cristãos e da pastoral familiar, permitindo, deste modo, que a Sua mensagem revele os segredos de uma felicidade familiar. Levar Cristo às famílias é tarefa que a Igreja deve encarar como prioritária. Muitas outras doutrinas podemos comunicar, mas só a partir d’Ele conseguiremos estruturar uma pastoral motivadora e válida, capaz de se adequar às novas exigências.
Não desconsideramos as exigências profissionais e familiares. Só experimentando a alegria que o Evangelho proporciona é que se criam condições para uma disponibilidade de tempo, com a consequente oferta de capacidades e talentos. Ainda se espera demasiado dos sacerdotes. Nunca os poderemos dispensar, é certo. Do seu empenho e interesse dependem as iniciativas que se poderão multiplicar. Importa, todavia, inverter o sentido da responsabilidade. Os casais são os protagonistas da pastoral familiar e, quando se deixam possuir por um espírito de fé e de responsabilidade eclesial, vencem e ultrapassam todas as dificuldades, muitas delas vindas até do interior da Igreja. Infelizmente nem todos estão convencidos desta prioridade.
É esta pastoral alavancada por casais felizes e realizados no amor que permite o anúncio do Evangelho às famílias. O caminho pode parecer íngreme e muito complicado. Olhar para a meta que nos propomos faz com que nos convençamos de que uma espiritualidade conjugal e familiar nunca pode ser dispensada. Como para todos os cristãos, o empenho renovador da Igreja nasce de uma profunda união a Cristo.
† Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz
Homilia no dia Arquidiocesano da Família 2017

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.