Avançar para o conteúdo principal

“Catequese: A Alegria do Encontro com Jesus Cristo”

Carta pastoral foi hoje divulgada aposta na «Catequese Familiar» e pede às comunidades para dedicar um domingo «inteiramente» à Sagrada Escritura

Lisboa, 26 mai 2017 (Ecclesia) – A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) publicou hoje a carta pastoral sobre a catequese onde afirma que a Catequese Familiar’ é a “mais completa e eficaz” e pede às paróquias para dedicar um domingo “inteiramente” à Sagrada Escritura.
Com a Catequese Familiar “tanto aprendem os filhos como os pais” e “é com os pais que os filhos mais facilmente crescem para o amor que deles recebem – o amor que tem a sua fonte última e principal em Deus”, referem os bispos de Portugal no documento “Catequese: A Alegria do Encontro com Jesus Cristo”.
O episcopado refere que a Catequese Familiar foi proposta pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã há seis anos e “está delineada e construída a partir dos materiais da catequese da infância (catecismos e guias) e contempla as exigências pedagógicas de uma tarefa desenvolvida em família, na família e com a família”.
A Catequese Familiar “caracteriza-se ainda por nela se envolverem simultaneamente a família e a paróquia”, indica a carta pastoral.
O documento do episcopado, aprovado na última Assembleia Plenária da CEP e agora divulgado, reconhece que o modelo de Catequese Familiar “não é fácil de implementar” por causa da “dispersão dos pais por muitos compromissos”, a “deficiente escolarização e as carências materiais e culturais”, a “separação nas famílias, que pode impedir que ambos os pais participem nos encontros” e também pela falta de “catequistas preparados”.
“Mas não são obstáculos intransponíveis. A preparação e a sensibilização, com tempo e persistência, podem fazer-se”, sublinha o documento.
A carta pastoral analisa o ambiente em que decorrem os encontros de catequese, insiste na necessidade do “primeiro anúncio” às novas gerações enquanto “anúncio principal, aquele que se tem de voltar a ouvir sempre de diferentes maneiras”, a fazer de “modo vivenciado” e na promoção de um encontro com Cristo.
“Todo o encontro de catequese tem de ser encontro com Ele. Porque é Ele quem, vindo ao nosso encontro, nos pode despertar para a fé, uma fé que atinja todo o nosso ser: a cabeça, o coração e as mãos”, acrescenta o documento.
A carta pastoral da CEP reflete sobre a catequese na atualidade a partir de seis partes: “No coração da catequese”, “É cristo que vem ao nosso encontro”, “Lugares do encontro”, “Mediadores do encontro”, “Destinatários do encontro”, e “A alegria do encontro”.
Neste documento, o episcopado português pede a todas as comunidades que dediquem um domingo “inteiramente à Palavra de Deus”, concretizando o desejo do Papa Francisco expresso no fim do Jubileu da Misericórdia.
A CEP sugere como data para o domingo dedicado á Sagrada Escritura o dia em que “se celebra a Festa da Palavra conclusiva do ano catequético dedicado à Sagrada Escritura”.
A carta pastoral ‘Catequese: A Alegria do Encontro com Jesus Cristo’ é um documento com 64 páginas, está disponível na página da internet da Conferência Episcopal Portuguesa e pode ser adquirido nas livrarias a partir de junho.

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.