Avançar para o conteúdo principal

“Catequese: A Alegria do Encontro com Jesus Cristo”

Carta pastoral foi hoje divulgada aposta na «Catequese Familiar» e pede às comunidades para dedicar um domingo «inteiramente» à Sagrada Escritura

Lisboa, 26 mai 2017 (Ecclesia) – A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) publicou hoje a carta pastoral sobre a catequese onde afirma que a Catequese Familiar’ é a “mais completa e eficaz” e pede às paróquias para dedicar um domingo “inteiramente” à Sagrada Escritura.
Com a Catequese Familiar “tanto aprendem os filhos como os pais” e “é com os pais que os filhos mais facilmente crescem para o amor que deles recebem – o amor que tem a sua fonte última e principal em Deus”, referem os bispos de Portugal no documento “Catequese: A Alegria do Encontro com Jesus Cristo”.
O episcopado refere que a Catequese Familiar foi proposta pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã há seis anos e “está delineada e construída a partir dos materiais da catequese da infância (catecismos e guias) e contempla as exigências pedagógicas de uma tarefa desenvolvida em família, na família e com a família”.
A Catequese Familiar “caracteriza-se ainda por nela se envolverem simultaneamente a família e a paróquia”, indica a carta pastoral.
O documento do episcopado, aprovado na última Assembleia Plenária da CEP e agora divulgado, reconhece que o modelo de Catequese Familiar “não é fácil de implementar” por causa da “dispersão dos pais por muitos compromissos”, a “deficiente escolarização e as carências materiais e culturais”, a “separação nas famílias, que pode impedir que ambos os pais participem nos encontros” e também pela falta de “catequistas preparados”.
“Mas não são obstáculos intransponíveis. A preparação e a sensibilização, com tempo e persistência, podem fazer-se”, sublinha o documento.
A carta pastoral analisa o ambiente em que decorrem os encontros de catequese, insiste na necessidade do “primeiro anúncio” às novas gerações enquanto “anúncio principal, aquele que se tem de voltar a ouvir sempre de diferentes maneiras”, a fazer de “modo vivenciado” e na promoção de um encontro com Cristo.
“Todo o encontro de catequese tem de ser encontro com Ele. Porque é Ele quem, vindo ao nosso encontro, nos pode despertar para a fé, uma fé que atinja todo o nosso ser: a cabeça, o coração e as mãos”, acrescenta o documento.
A carta pastoral da CEP reflete sobre a catequese na atualidade a partir de seis partes: “No coração da catequese”, “É cristo que vem ao nosso encontro”, “Lugares do encontro”, “Mediadores do encontro”, “Destinatários do encontro”, e “A alegria do encontro”.
Neste documento, o episcopado português pede a todas as comunidades que dediquem um domingo “inteiramente à Palavra de Deus”, concretizando o desejo do Papa Francisco expresso no fim do Jubileu da Misericórdia.
A CEP sugere como data para o domingo dedicado á Sagrada Escritura o dia em que “se celebra a Festa da Palavra conclusiva do ano catequético dedicado à Sagrada Escritura”.
A carta pastoral ‘Catequese: A Alegria do Encontro com Jesus Cristo’ é um documento com 64 páginas, está disponível na página da internet da Conferência Episcopal Portuguesa e pode ser adquirido nas livrarias a partir de junho.

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.