Avançar para o conteúdo principal

QUANDO OS FILHOS NÃO LEEM


Ler é uma atividade indissociável da curiosidade e do desejo. É preciso aprender a senti-la como uma necessidade interior


Conversava com uns amigos preocupados com o filho que anda agora pelos 17 anos. São ambos professores, os corredores de casa parecem uma biblioteca, mas o filho não lê um livro. Às vezes, dão por si a olhá-lo como se olha um estranho cuja língua e hábitos se ignoram. Não sabem como se formou o muro cultural que os separa. Veem-no horas e horas retido no ecrã do telemóvel, obsidiado por aquele retângulo brilhante, aos olhos deles fazendo nada. Lamentam o que lhes parece ser uma dependência, mas sentem-se impotentes. Quando tentam explicar-lhe que o ecrã é uma gaiola de vidro onde se deixa aprisionar, o filho levanta a cabeça, olha-os também sem entendê-los, mas sem intenção de substituir o que o ocupa por um livro qualquer. A primeira coisa de que me recordei — e que lhes disse — foi uma frase do escritor Gianni Rodari: “O verbo ler não suporta o imperativo.” Ler é uma atividade indissociável da curiosidade e do desejo. É preciso aprender a senti-la como uma necessidade interior, um gosto, uma alegria que pode até ser frívola e profunda ao mesmo tempo, um encontro a que nos dispomos sem porquê. Não basta uma ordem ou um conselho repetido. Falta uma iniciação que seja digna desse nome. E, a esse propósito, lembrei-lhes o que dizia Rubem Alves: que era pela cozinha que deveríamos sempre entrar numa sala de aulas, pois ensinar é a arte de despertar a fome em alguém.

Mas fiquei depois a pensar na história destes amigos e como ela se liga a um dos problemas mais amplos, complexos e sofridos das nossas sociedades: o da transmissão. A velocidade da mutação que o progresso tecnológico impõe vai cavando uma distância cada vez maior entre as gerações. Entre pais e filhos há, a esse nível, um afastamento que em outras épocas jamais ocorreria entre gerações tão próximas, e precisamos de ganhar consciência disso. Um bom começo talvez seja ativar caminhos de compreensão mútua entre adultos e jovens/adolescentes. Os filhos precisam de compreender melhor o mundo dos pais, aquilo que os apaixona, como é que eles chegaram aos seus pontos de vista, como construíram a sua linguagem e os seus códigos, como foi o encontro deles com o que consideram realmente importante. E os pais precisam de dar tempo aos filhos (e a si mesmos) para compreenderem a gramática deles, sem imediatamente comparar e corrigir tudo o que veem a partir da sua. Há um dado objetivo: o mundo está em mudança, e isso não foi uma escolha dos filhos. Os pais obcecados com o facto de os filhos não reproduzirem o mundo deles não reparam no esforço duríssimo e solitário que os filhos fazem para aprender a funcionar com as novas regras do tempo em que despontaram. Claro que tem de haver um equilíbrio. É verdade que não conseguirmos passar às novas gerações um sincero amor pelo património civilizacional e ético de que somos guardadores representará uma perda inqualificável. Mas isso não se faz retirando os jovens do seu mundo, mas colaborando para que eles ampliem sempre mais a experiência que lhes é própria. Os filhos de hoje são os primeiros nativos digitais, coisa que até aqui se desconhecia. Há insuficiências nesta nova condição? Certamente. Hoje, por exemplo, a comunicação humana tende a funcionar em tempos rápidos e simultâneos, sem pausas, sem espaço concedido à espera. Isso constitui um empobrecimento que será preciso trabalhar. Mas há dados positivos. Um deles é a personalização: os jovens veem e escutam o que querem, quando querem. Outro é a capacidade de expressão. As novas gerações serão saudavelmente menos afásicas do que as que as precederam.

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -