Avançar para o conteúdo principal

A misericórdia é uma «forma de conhecimento»


«Sabemos que se conhece através de muitas formas. Conhece-se através dos sentidos, conhece-se através da intuição, através da razão e ainda de outras formas.» Hoje, o papa acrescentou outra arquitetura do saber.


Para Francisco, «a misericórdia à luz da Páscoa deixa-se perceber como uma verdadeira forma de conhecimento. E isto é importante: a misericórdia é uma verdadeira forma de conhecimento», sublinhou o papa na oração do "Regina Coeli" (Rainha dos Céus), no Vaticano.
«Pode-se conhecer através da experiência da misericórdia, porque a misericórdia abre a porta da mente para compreender melhor o mistério de Deus e da nossa existência pessoal», acentuou.
As palavras do papa foram proferidas no dia em que os católicos assinalam o domingo da Divina Misericórdia, instituído pelo papa S. João Paulo II no ano 2000, para ser celebrado no domingo após a Páscoa.
«A misericórdia faz-nos compreender que a violência, o rancor, a vingança não têm qualquer sentido, e a primeira vítima é quem vive destes sentimentos, porque se priva da própria dignidade», prosseguiu Francisco.
É a misericórdia que abre «a porta do coração e permite exprimir a proximidade sobretudo com quantos estão sós e marginalizados, porque os faz sentir irmãos e filhos de um só Pai. Ela favorece o reconhecimento de quantos precisam de consolação e faz encontrar palavras adequadas para dar conforto».
Por isso, apontou Francisco, «a misericórdia aquece o coração e torna-o sensível às necessidades dos irmãos com a partilha e participação. A misericórdia, em suma, compromete todos a serem instrumentos de justiça, de reconciliação e de paz».
«Nunca esqueçamos que a misericórdia é a pedra angular na vida de fé, e a forma concreta com que damos visibilidade à ressurreição de Jesus», vincou o papa.
A «primeira tarefa» que Jesus, depois de ressuscitado, transmitiu à Igreja foi «a sua própria missão de levar a todos o anúncio concreto do perdão», observou Francisco, acrescentando que esse «sinal visível da sua misericórdia leva consigo a paz do coração e a alegria do encontro renovado com o Senhor».

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -