Avançar para o conteúdo principal

Eutanásia: Debate em curso é sobretudo «uma batalha civilizacional»

Mandatário da petição «Toda a vida tem dignidade» diz que é preciso oferecer mais do que a morte.

O jurista José Maria Seabra Duque, um dos mandatários da petição ‘Toda a vida tem dignidade’, diz que o debate à volta da eutanásia é decisivo sobretudo ao nível do tipo de sociedade que hoje “queremos construir”.

“O que está em discussão é saber que resposta tem a sociedade a oferecer aos doentes, aos idosos, aos que sofrem. Oferecemos cuidados médicos, cuidados sociais, oferecemos o nosso amor e a nossa compaixão ou a morte?”, questiona aquele responsável, num texto enviado hoje à Agência ECCLESIA.

A eutanásia tem estado em debate no Parlamento português, que já recebeu duas petições, a já referida ‘Toda a Vida tem dignidade’, e outra que defende a “despenalização da morte assistida”.
Dois partidos com assento na Assembleia da República, o Bloco de Esquerda e o PAN – Pessoas Animais Natureza, deverão apresentar projetos-lei relacionados com esta questão.
José Maria Seabra Duque considera que, “ao contrário do que tem vindo a ser afirmado”, não está em cima da mesa uma questão de “autonomia pessoal”, ou seja, “a possibilidade de as pessoas decidirem o que fazer com a sua vida”.
Até porque “na eutanásia é a pessoa que pede para morrer mas sãos os médicos que decidem se ela pode ou não”.
O que importa perceber é “que Estado, que sociedade queremos construir”, se uma que continua baseada “no valor da vida humana” ou outro tipo de sociedade diferente.
O jurista, que é também coordenador pela ‘Caminhada pela Vida’, recorda que o “reconhecimento de que toda a vida é digna”, de que não existem “cidadãos de primeira e de segunda”, que está também na base da democracia, “demorou séculos” a construir “e é um bem que tem que ser protegido”.
No entanto, “com a eutanásia a sociedade afirma que há vidas que valem menos, que há Vidas menos dignas, que há circunstâncias onde o Estado já não protege a vida mas antes a elimina”, sustenta José Maria Seabra Duque, para quem “a legalização da eutanásia seria a vitória da cultura do descarte”.
Neste sentido, o responsável conclui o seu texto alertando que o debate da eutanásia é sobretudo “uma batalha civilizacional” que tem de contar com todos quantos acreditam no “valor da vida”.
JCP

Lisboa, 02 fev 2017 (Ecclesia) 

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.