Avançar para o conteúdo principal

Desculpa

«Pedir desculpas é difícil, 
mas torna-se libertador.» 
Pe. Rui Miguel

Não é fácil admitir que erramos.
Não é fácil interiorizar que nem sempre temos razão.
É preciso olharmos para dentro e percebermos do que somos feitos.
É preciso nascermos de novo.
É necessário sabermos que "é muito mais aquilo que nos une, que aquilo que nos separa.".
É urgente que tenhamos a coragem de pedir desculpas.
É urgente que tenhamos a audácia de entender que aquele que se cruza connosco vai encontro da mesma humanidade.
É certo que é uma humanidade recheada de diferenças, mas são nelas que encontramos toda a sua beleza.

E nesta vida não vale a pena carregar a teimosia.
Nesta vida não vale a pena viver com uma única verdade.
Nesta vida não vale a pena viver só com uma realidade.
Nesta vida o segredo está em saber aceitar.
O segredo está em saber respeitar.
O segredo está em colocar todos os fundamentalismos para trás.
O segredo está em sabermos colocar-nos ao serviço e não em sermos servidos.
Não é fácil viver esta radicalidade. É um caminho desafiante para nós mesmos e para o outro.
Saber dar testemunho da fragilidade.
Saber dar testemunho de que a liberdade vem do perdão, não é uma utopia.
É um desafio.
É uma busca.
É um encontro mútuo que me leva a mim e ao outro à plena felicidade.
É possível viver-se desta forma, basta querermos.
Basta irmos à verdadeira essência.
Porque quando pedimos desculpa, damo-nos.
Quando pedimos desculpa, soltamo-nos.
Quando pedimos desculpa, envolvemo-nos.
Quando pedimos desculpa, desculpamo-nos.
Quando pedimos desculpa...quando pedimos desculpa duas vidas se encontram na maior de todas as liberdades.

Quando pedimos desculpa, desligamos o “descomplicador” e abraçamos a vida.

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.