Avançar para o conteúdo principal

Papa celebra Natal sob o signo da misericórdia e olhar nas periferias

Cidade do Vaticano, 24 dez 2015 (Ecclesia) - O Papa Francisco celebra este ano o Natal sob o signo do Jubileu da Misericórdia, com o qual convida os católicos a procurar quem vive nas periferias da sociedade.
“Se queres encontrar Deus, procura-o na humildade, procura-o na pobreza, procura-o onde Ele está escondido: nos necessitados, nos mais necessitados, nos doentes, nos esfomeados, nos presos”, disse em Roma, ao abrir a Porta da Caridade num refeitório da Cáritas, precisamente uma semana antes do Natal.
O Papa que já entrou em casa de idosos pobres, almoçou com pobres e caminhou entre barracas preside esta noite (20h30 de Roma) à Missa do Galo, na Basílica de São Pedro, com todas estas pessoas no coração.

A Missa, que vai contar com uma leitura em português, prevê uma oração pelos “pobres e os últimos da terra”.
Um dos símbolos deste Natal da Misericórdia é uma manjedoura proveniente da Villa São Francisco, uma casa para crianças com deficiência em Pedavena, na região do Vêneto, no norte da Itália.
O Papa abençoou-a na Praça de São Pedro, a 16 de dezembro, depois da audiência geral, e esteve em oração diante dela, durante alguns momentos.
A manjedoura – ‘cripa’ no dialeto local – é obra de uma criança muçulmana chamada Issa, realizada com a ajuda do escultor Gilberto Perlotto, e foi feita com 208 pedaços de madeira vindos de mais de 100 países.
Os pedaços de madeira foram recolhidos em países em guerra, que sofrem com a violência e os desastres provocados pelo homem e pela natureza, precisa o Vaticano.
Antes, a 6 de dezembro, o Papa acendeu simbolicamente, através de videoconferência, a árvore de Natal e o presépio colocados diante da Basílica inferior de São Francisco de Assis (Itália).
O presépio foi instalado dentro de um barco que transportou, a salvo, alguns migrantes vindos da Tunísia e desembarcados em Lampedusa.
Falando com 31 refugiados assistidos pela Cáritas diocesana de Assis, Francisco disse que Jesus veio para dar “esperança”.
“Neste Natal, convido-vos a abrir o coração à misericórdia, ao perdão. Mas não é fácil perdoar estes desastres”, precisou.
A 18 de dezembro, o Papa recebeu no Vaticano delegações oficiais das localidades que ofereceram a árvore de Natal e o presépio para a Praça de São Pedro, com particular atenção para crianças com cancro que fizeram as decorações.
Na árvore de Natal estão trabalhos em barro criados por crianças tratadas em unidades oncológicas de vários hospitais italianos.
O presépio, por sua vez, é uma oferta da arquidiocese e da Província Autónoma de Trento, na Itália, em parceria com a Associação Amigos do Presépio de Tesero.
A representação do nascimento de Jesus reproduz as típicas construções rurais da região italiana e é composta por 24 figuras de tamanho natural, em madeira esculpida e pintada.
A Natividade inclui as figuras de Maria, José e o Menino Jesus no centro do cenário, além dos três magos que chegam para a adoração.
“Convido-os a parar diante do presépio, porque ali fala a ternura de Deus, ali se contempla a misericórdia divina”, disse o Papa.
O presépio completa-se com algumas personagens com trajes típicos da região de Trento e uma das figuras masculinas inclina-se sobre outra, idosa, auxiliando-a, numa figuração da misericórdia.
Francisco elogiou esta representação, que apresenta “o mistério do Natal” através de alguém que “não apenas olha para Deus mas também o imita porque, como Deus, se inclina com misericórdia sobre quem tem necessidade”.

OC

In Agência Ecclesia

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.