Avançar para o conteúdo principal

Um grande "sim" à família

O Cardeal Christoph Schönborn disse que o Sínodo dos Bispos já atingiu o objetivo principal: reafirmar um grande "sim" à família.
Em declarações à Zenit na semana passada, o arcebispo de Viena aplaudiu a nova metodologia escolhida pelo Papa Francisco para o Sínodo, apesar das críticas iniciais de que as mudanças causaram "confusão".
Em vez disso, disse o cardeal, a mudança é "muito, muito útil, pois envolve cada um dos participantes”.
"Há 13 reuniões em pequenos grupos, três vezes mais do que os sínodos precedentes. Com este método - menos Plenárias e mais grupos linguísticos - mais direto, eu diria, gera um contato mais frutuoso para as discussões", disse ele.

O cardeal afirmou que após os primeiros dias do Sínodo, o ambiente estava mais tranquilo.
"O fato é que o tema da família nos envolve muito; portanto, há uma tensão em torno das questões, que envolve desafios", destacou, acrescentando que é uma "tensão positiva” porque mostra o cuidado e amor que a Igreja tem para com esta instituição fundamental que é a família”.
"O que me impressionou e me impressiona dia após dia é que - apesar das diferentes realidades, experiências e problemas - os testemunhos de todo o mundo demonstram a mesma coisa: não há nenhum projeto mais estupendo do que a família. É verdadeiramente a obra do Criador".

"O êxito do matrimónio e da família vale muito mais do que todas as dificuldades e as crises que existem. O desejo do matrimônio e da família está verdadeiramente enraizada no mundo todo", comentou o cardeal austríaco, afirmando que além de todos os resultados que este Sínodo pode obter, já atingiu o principal objetivo: "Um grande sim da Igreja à família - uma grande esperança de que a família é mais forte do que todas as crises".

Por Salvatore Cernuzio
Roma, 21 de Outubro de 2015

In http://www.zenit.org/pt

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.