Avançar para o conteúdo principal

Sínodo: um caminho que levará as famílias a serem missionárias

Um sínodo emblemático que abre a ternura da Igreja para todos aqueles feridos, não apenas para as famílias.
Neste sábado acontecerá a última assembleia do Sínodo. Hoje, o cardeal Peter Erdo apresentou o esboço do documento final, explicando o espírito sinodal sem entrar especificamente no texto. O cardeal Baldiserri recordou que foram analisadas 1355 propostas nos três estágios do sínodo para alcançar esse resultado. Os Padres Sinodais também discutiram a 'consciência e a lei moral’, com base no texto distribuído aos cardeais. O diretor da Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, não entrou em detalhes porque trata-se de um tópico do projeto que não é público.
Ontem à tarde, o Papa Francisco anunciou a criação de um novo Dicastério que unirá dois pontifícios conselhos, o dos leigos e o da família com a Pontifícia Academia para a Vida.
Para falar sobre o desenvolvimento do Sínodo dos Bispos sobre a família, que começou em 4 de outubro no Vaticano, estiveram presentes hoje na sala de imprensa da Santa Sé, o Cardeal Peter Turkson presidente do Conselho Pontifício Justiça e Paz; Cardeal Gérald Lacroix, Arcebispo de Quebec; e o salesiano Dom Lucas Van Looy, Bispo da diocese de Gent Bélgica.
Ficou muito claro que o Sínodo está percorrendo um caminho conjunto e espera-se que as famílias sejam missionárias.
O Cardeal Turkson referindo-se ao caminho sinodal, reiterou que é um caminho conjunto e recordou quando, em Assis, o Papa Bento XVI disse: "todos juntos em busca da verdade". O Cardeal afirmou que todos os testemunhos, dos auditores e dos padres sinodais, as palavras do Santo Padre, o contato com a realidade da sociedade tem um valor inestimável.
Ele considera que este Sínodo é um marco para a Igreja, porque o casamento é um sacramento, precedido pelo batismo que por sua vez é um sacramento do discipulado. E acrescentou que "o casamento seja de discípulos que caminham com o Senhor", porque "não bastam as forças naturais”... "é preciso a graça do Senhor e se negligenciarmos isso essa incapacidade aparece”.
O Cardeal também destacou que o documento final "não será um documento ‘aguado’" para obter um consenso, porque "no Sínodo tentamos apreciar o ponto de vista dos outros mesmo que não seja o meu. Eu procuro soluções, não apenas para mim, mas também para os bispos de todos os continentes".
Portanto, ele não vê nenhuma barreira, mas diversos pontos de vista. Na África "as etapas para o casamento não são as mesmas que na Europa". Ou seja, o Sínodo foi uma "experiência muito enriquecedora”.
O Cardeal canadense Lacroix considera "o documento final desta manhã importante”, bem como a "a experiência sinodal".
"Nosso trabalho não é um texto legislativo", afirmou Lacroix, mas uma experiência que precisava ser transmitida ao Santo Padre.
"Deus te ama como você é, mas não se conforma", indicou como ideia, propondo como chave para entender este Sínodo, os peregrinos de Emaús. Outra preocupação dos Padres sinodais foi: "como expressar alegria diante dessas famílias feridas", lembrando que "não há famílias perfeitas".
Ele destacou que algumas famílias feridas, com a palavra dos casados e divorciados, também participaram das consultas antes do Sínodo
Dom Lucas Van Looy bispo da diocese belga de Gent, mostrou sua preocupação -antes de partir para Roma para a Sínodo- pelas famílias de migrantes que chegam do Oriente Médio, como vivem as famílias nesses grandes campos de refugiados, destacando que todas estas questões fizeram parte do Sínodo.
Ele também indicou que nessas três semanas de escuta "entendemos melhor a palavra misericórdia, difícil para o mundo atual". Foram semanas que fizeram entender que é necessário integrar e acompanhar as pessoas, assim como o conceito de ‘sinodalidade’, "conceito que é mais do que uma palavra". Ele brincou que está pensando em como vai traduzir para o flamingo a palavra ‘sinodalidade’. Por isso, ele considera que "o Sínodo está dando às famílias uma tarefa de evangelização". Entre os temas está também a questão do jovem que vê Deus muito distante e como acompanha-lo no matrimônio.
Ele observou ainda que "a grande riqueza", a grande diversidade do Sínodo, "reflete-se na cor dos rostos dos bispos".
"A palavra que permanece – concluiu o Bispo - é a palavra "ternura". Ele disse na sala que a Igreja existe para todas as situações, não apenas para as famílias feridas". E essa ternura "poderia ser o início de uma nova época para a Igreja".

Por Sergio Mora, Roma,  (ZENIT.org)

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.