Avançar para o conteúdo principal

Papa afirma que Sínodo dos Bispos «não é um parlamento» que negoceia decisões

O Papa Francisco disse hoje no Vaticano que o Sínodo dos Bispos “não é um congresso ou uma convenção, um parlamento ou um senado” onde se negoceiem decisões.
“Caros irmãos, como disse, o Sínodo não é um parlamento, onde para se chegar a um consenso ou a um acordo comum, se recorre à negociação, a pactos ou a cedências. O único método do Sínodo é o de abrir-se ao Espírito Santo, com coragem apostólica, humildade evangélica e oração confiante” declarou, na primeira sessão de trabalho da 14ª assembleia geral ordinária deste organismo consultivo, dedicado ao tema da família.
Francisco sublinhou que o “depósito da fé” da Igreja Católica não é “um museu para olhar ou salvaguardar, mas é uma fonte viva”.

“O Sínodo é uma expressão eclesial, isto é, a Igreja que caminha em conjunto para ler a realidade com os olhos da fé e o coração de Deus”, precisou.
Nesse sentido, convidou a “valorizar e refletir em conjunto” o trabalho realizado desde a reunião extraordinária de 2014, sobre os mesmos temas, elogiando “todas as pessoas que se deixam guiar pelo Deus que surpreende sempre”, do Deus que “criou a lei e o sábado para o homem e não ao contrário”.
“O Sínodo, como sabemos, é um caminhar juntos, com o espírito de colegialidade e sinodalidade, adotando corajosamente a franqueza (parrésia, no original)”, assinalou.
O Papa pediu que os participantes tenham sempre em vista “o bem da Igreja, das famílias”, falando do Sínodo como “um espaço protegido, onde a Igreja experimenta a ação do Espírito Santo”.
A intervenção alertou para as “seduções do mundo que tendem a apagar nos corações do homem a luz da verdade” ou para os que querem fazer da vida cristã “um museu de recordações”.
O Papa espera que os participantes na assembleia sinodal saibam “esvaziar-se das próprias convenções e preconceitos para ouvir os irmãos bispos”, evitando “apontar o dedo ao outro para o julgar, mas estender a mão para o levantar”.
Francisco sublinhou por isso a importância de um coração que se “abre a Deus” e ao seu Espírito, para evitar que as decisões do Sínodo sejam apenas “decorações, que em vez de exaltar o Evangelho, o cobrem e escondem”.
No final do discurso, o Papa deixou uma palavra de agradecimento aos jornalistas e a quantos acompanham os trabalhos de longe, pela sua “participação apaixonada e atenção admirável”.
Os trabalhos da 14ª assembleia geral do Sínodo dos Bispos (4-25 de outubro) vão ter mais espaço para o debate e o diálogo, com 13 sessões de trabalhos em grupo.
Ao longo de três semanas, serão debatidos os temas “A escuta dos desafios sobre a família”, “O discernimento da vocação familiar” e “A missão da família hoje”, correspondentes a cada uma das partes do Instrumento de Trabalho.
Em termos de comunicação, o Vaticano vai promover uma conferência de imprensa diária, com a presença de participantes no Sínodo, para além da divulgação dos relatórios dos trabalhos de grupo.

Junto à sala do Sínodo dos Bispos foi preparada uma capela para a oração dos participantes, na qual estão expostas relíquias Santa Teresinha do Menino Jesus e dos seus pais, bem como de Maria e Luigi Beltrame Quattrocchi, primeiro casal a ser beatificado.


Cidade do Vaticano, 05 out 2015 
http://www.agencia.ecclesia.pt

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.