Avançar para o conteúdo principal

"Espírito familiar"

Quarta-feira, 7 de outubro, enquanto os padres sinodais continuavam mais um dia de trabalho em mais uma sessão do Sínodo sobre a Família, na audiência geral da Praça de S. Pedro o Papa Francisco, na sua catequese, falou sobre o ‘espírito familiar’. Mais de 30 mil pessoas ouviram as suas palavras.
O Santo Padre começou por afirmar que “a família que percorre o caminho do Senhor é um testemunho fundamental do amor de Deus e, consequentemente, merece toda a dedicação da Igreja”. Neste sentido, a Assembleia Sinodal iniciada no último domingo, 4 de outubro, deve interpretar com o olhar de hoje a solicitude e a atenção da Igreja.

Para o Papa Francisco, “os homens e as mulheres de hoje necessitam de uma ‘injeção de espírito familiar’. O estilo dos relacionamentos atuais – civis, económicos, jurídicos, profissionais e de cidadania – é racional, formal, organizado... em poucas palavras ‘desidratado’, árido, anónimo. Às vezes, estas relações tornam-se insuportáveis porque relegam à solidão e ao ‘descarte’ um número sempre maior de pessoas” – afirmou o Papa Francisco:
“Eis porque a família abre à sociedade inteira uma perspetiva bem mais humana: abre os olhos dos filhos sobre a vida….”
“…A família introduz a necessidade das ligações de fidelidade, sinceridade, cooperação, respeito; encoraja a proteger um mundo habitável e a crer nas relações de confiança, mesmo em condições difíceis; ensina a honrar a palavra dada, o respeito pelas pessoas, a partilha dos limites pessoais e dos outros.”
No entanto, não è dado à família o reconhecimento devido na organização política e económica da sociedade contemporânea – declarou o Santo Padre que afirmou que o “espírito familiar é uma carta constitucional para a Igreja” que “assim, deve parecer e ser”.
Segundo o Santo Padre, as famílias sabem bem o que significa a “dignidade do sentir-se filhos e não escravos”. E é das famílias que “Jesus recomeça a sua passagem por entre os seres humanos para persuadi-los de que Deus não os esqueceu”.
No final da audiência o Papa Francisco pediu orações “pelos Padres Sinodais, para que, iluminados pelo Espírito Santo, possam dar à Igreja, como família de Deus, um novo impulso para lançar as suas redes que libertam os homens da indiferença e do abandono, promovendo o espírito familiar no mundo”. De destacar também as saudações a um grupo de refugiados iraquianos e a D. Vincenzo Paglia, Presidente do Conselho Pontifício para a Família pela organização do VIII Encontro Mundial de Famílias, realizado em Filadélfia há duas semanas atrás. Em particular, salientamos a cordialidade do Santo Padre na saudação a um grupo de anglicanos, incluindo uma dezena de pastoras e bispas da Comunhão Anglicana, presentes na Praça.
Como habitualmente o Santo Padre saudou também os peregrinos de língua portuguesa:
“Saúdo os peregrinos de língua portuguesa, particularmente os fiéis da paróquia da Graça. Unidos na oração pelo Sínodo dos Bispos, faço votos de que a vossa peregrinação a Roma fortaleça, no amor divino, os vínculos de cada um com a sua família, com a comunidade eclesial e com a sociedade. Que Nossa Senhora vos acompanhe e proteja!”

O Papa Francisco a todos deu a sua bênção!

Papa Francisco na audiência geral de 7 de outubro

in: http://pt.radiovaticana.va/news/2015/10/07/audiência_uma_injeção_de_‘esp%C3%ADrito_familiar’/1177425

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -