Avançar para o conteúdo principal

"Instrumentum laboris" do Sínodo sobre a família

Em menos de quatro meses terá início em Roma o Sínodo Ordinário sobre a família. Nesta terça-feira de manhã foi apresentado ao público o “Instrumentum Laboris”, ou seja, o documento que vai orientar a reunião e que deverá ser usado como referência durante o Sínodo. O documento foi preparado a partir do texto conclusivo do precedente Sínodo e das respostas dos fiéis de todo o mundo que contribuíram preenchendo o questionário enviado a todas as Conferências Episcopais pelo Vaticano.
Como citado na introdução do documento, depois de refletir sobre a III Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos em outubro de 2014 sobre Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização, a XIV Assembleia Geral Ordinária, a ser realizada de 4 a 25 de outubro deste ano, vai abordar o tema A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo.
O percurso sinodal será marcado por três momentos intimamente relacionados: a escuta dos desafios sobre a família; o discernimento da vocação e a missão.
O documento de quase 80 páginas é dividido em três partes.
A primeira parte "A escuta dos desafios sobre a família" reflete em quatro capítulos sobre a família e o contexto antropológico-cultural; a família e o contexto socioeconômico; família e inclusão; família, afetividade e vida.
A segunda parte, que trata do "Discernimento vocacional familiar", aborda em seus capítulos a família e a pedagogia divina; família e a vida da Igreja; família e caminho à plenitude. Entre os temas: plenitude sacramental, a indissolubilidade como dom e tarefa, a fecundidade dos cônjuges, o medo dos jovens de se casar.
Finalmente, a terceira parte chamada de "A missão da família hoje" apresenta diversos capítulos sobre família e evangelização; família e formação; família e acompanhamento eclesial; família, reprodução e educação.
O renovado interesse pela família – afirma o cardeal Baldisseri, secretário-geral do Sínodo dos Bispos - levantada pelo Sínodo, confirma-se pela grande atenção dispensada não apenas no âmbito eclesial, mas também por parte da sociedade civil.
Neste abrangente documento, que aborda as temáticas e desafios de maior preocupação para as famílias, recorda-se que "a Igreja está consciente do elevado perfil do mistério procriativo do matrimônio entre homem e mulher". Portanto, pretende valorizar a graça original procriadora da aliança conjugal sinceramente direcionada para corresponder a esta vocação original e a praticá-la justamente.

Cidade do Vaticano,    (ZENIT.org)

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.