Avançar para o conteúdo principal

A beleza do matrimónio cristão

Na manhã desta quarta-feira, dia 6 de maio, a praça de São Pedro, no Vaticano, encheu-se de fiéis para a tradicional audiência-geral das quartas.
Retomando o tema da família o Papa Francisco abordou a beleza do matrimónio e lembrou que o mais importante não são as “flores, vestidos e fotos” mas “o sacramento que cria uma nova comunidade familiar que edifica a Igreja”.
No início da sua catequese o Papa recuperou a ideia de São Paulo sobre o matrimónio explicando que “inspirado pelo Espírito Santo, Paulo afirma que o amor entre os cônjuges é imagem do amor entre Cristo e a Igreja.”.
Assim os esposos “são chamados a viver a radicalidade de um amor que, iluminado pela fé, restabelece a reciprocidade da entrega e dedicação segundo o projeto original de Deus para a humanidade”.

Tomando a comparação entre o esposo, Cristo, e a esposa, a Igreja, presente na teologia Paulina, Francisco afirmou:
“O marido deve amar a mulher como o próprio corpo; amá-la como Cristo amou a sua Igreja e se deu a si próprio por ela”. Neste ponto o Papa interrogou os maridos: “Mas vós maridos que estais aqui presentes compreendeis isto? Amar a própria mulher como Cristo ama a Igreja. Isto não é uma brincadeira, é a sério!”, afirmou.
Para Francisco as palavras de São Paulo recordam-nos que “o matrimónio é um grande ato de fé e de amor que testemunha a coragem de acreditar na beleza do ato criador de Deus e de viver aquele amor que leva a andar sempre mais além de si próprio e para além da própria família.”
Deste modo a Igreja “participa plenamente na história de cada casal cristão” e “alegra-se com os seus êxitos e sofre com os seus fracassos. Isto é assim porque os esposos participam na missão da Igreja justamente enquanto esposos, dando testemunho da sua fidelidade corajosa à graça deste sacramento”.

A coragem do amar cristão
 “Por isso digo aos recém-casados que são corajosos, porque é preciso coragem para amar o outro como Cristo amou a Igreja. Trata-se de um grande mistério, um tesouro levado em vasos de barro, mas sustentado pela misericórdia e ternura de Deus: um caminho na fé, no amor e na esperança, com as alegrias e fadigas de uma vida familiar”, afirmou.
No final da sua catequese Francisco deu razão ao mistério preconizado por Paulo:
“Trata-se de um grande mistério! Homens e mulheres, suficientemente corajosos para levar este tesouro nos vasos de barro da nossa humanidade, são um recurso essencial para a Igreja e para o mundo. Deus os abençoe mil vezes por isso!”.

Os 70 anos do fim da II Guerra Mundial
Nas saudações em italiano o Papa Francisco recordou que nos próximos dias serão celebrados os 70 anos do final da II Guerra Mundial. E afirmou:
“Confio a Maria Rainha da Paz os votos de que a sociedade aprenda com os erros do passado e que diante dos conflitos atuais que estão dilacerando algumas regiões do mundo, todos os responsáveis civis se empenhem na busca do bem comum e na promoção da cultura da paz.”

 Educris com Rádio Vaticano
http://www.educris.com/v2/noticias/5057-audiencia-geral-a-beleza-do-matrimonio-cristao

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.