Avançar para o conteúdo principal

DIA DOS NAMORADOS, EM VERDADE E AMOR

O Dia dos Namorados é dia de alegria e de esperança! Dia para namorar, cantar, sorrir, brindar e sonhar, neste mundo que tantas vezes parece andar amuado consigo próprio. Dia para refletir, agradecer e continuar a projetar a vida num amanhã que se deseja cheio de luz e de prosperidade. É a primavera da vida a florir e a rasgar o futuro, descobrindo a pessoa do outro a quem se mirou e procura conhecer, deixando que esse outro seja ele mesmo, tenha o seu próprio espaço e seja respeitado na sua individualidade.

Nessa descoberta recíproca, nessa intercomunicação mútua, nessa revelação que cada um faz de si mesmo ao outro, se vai descortinando a força que o verdadeiro amor transporta em si e os cuidados que ele reclama. 
E como é bom, bonito e saudável sonhar e concretizar um futuro a dois, em busca de uma família bem alicerçada e estável, garante de futuro feliz para marido, esposa e filhos, para a família e a própria sociedade! 
Não dizemos nós, com o poeta, “que o sonho comanda a vida, que sempre que um homem sonha o mundo pula e avança como bola colorida entre as mãos de uma criança”? Sim, é o sonho que comanda a vida, mesmo quando a vida está preta para o lado de quem sonha e logo faz sentir os picos na concretização do projeto sonhado. De facto, desde o princípio que o ziguezaguear da existência humana a todos interpela e tantas vezes incomoda e aflige. Neste caso, reconhecemos que são muitos os contratempos com que se deparam os namorados, quando pensam casar-se e constituir uma nova família - a sua família! - que desejam plena de harmonia e de paz, de alegria e de felicidade. 
A debilidade social, expressa sobretudo na cultura do provisório e numa acelerada derrapagem de valores, afeta e arrasta dificuldades e medos perante as opções fundamentais de vida que pedem compromissos definitivos. 
A não empregabilidade ou precariedade no emprego e a inexistência de apoios dificultam, ou não permitem mesmo, a concretização desse projeto, tal como é ou foi idealizado a dois. No entanto, se o namoro for aquilo que deve ser, não deve haver receio de confiar, teimar e arriscar, em fidelidade criativa, dando e recebendo com alegria e humildade. 
Para nós, o namoro é também um itinerário de fé, um tempo de graça, um trajeto apoiado na importância do ser humano, no valor da vida e da família, no Amor de Deus fonte de todo o amor e fidelidade, nos gestos pequeninos e pequeninas atenções de cada dia.
A Comissão Episcopal do Laicado e Família saúda com fundada esperança os namorados e, de uma forma especial, todos quantos procuram o sentido e o valor do Matrimónio Cristão e para ele se preparam na exigência da verdade e do amor. 

Comissão Episcopal do Laicado e da Família

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.