Avançar para o conteúdo principal

Papa entoa hino de louvor às mães e recorda Oscar Romero

«Obrigado por aquilo que sois na família e por aquilo que dais à Igreja e ao mundo»

Cada pessoa humana deve a vida a uma mãe, e quase sempre deve a ela muito da própria existência que se segue ao nascimento, da formação humana e espiritual. A mãe, todavia, apesar de ser muito exaltada do ponto de vista simbólico (...), é pouco ouvida e pouco ajudada na vida quotidiana, pouco considerada no seu papel central na sociedade. Assim, muitas vezes aproveita-se a disponibilidade das mães para se sacrificarem pelos filhos para “poupar” nas despesas sociais.
Acontece que também na comunidade cristã a mãe não ser sempre tida em conta na justa medida, é pouco ouvida. E contudo no centro da vida da Igreja está a Mãe de Jesus. Talvez as mães, prontas para tantos sacrifícios pelos próprios filhos, e não raramente pelos filhos de outros, deveriam encontrar mais escuta. Seria necessário compreender mais a sua luta quotidiana para serem eficientes no trabalho e atentas e afetuosas na família; precisar-se-ia entender melhor a que coisas aspiram para exprimir os frutos melhores e autênticos da sua emancipação. (...)
As mães são o antídoto mais forte para a difusão do individualismo egoísta. “Indivíduo” quer dizer “que não se pode dividir”. As mães, pelo contrário, “dividem-se”, a partir do momento em que hospedam um filho para o dar ao mundo e fazê-lo crescer. São elas, as mães, que maioritariamente odeiam a guerra, que mata os seus filhos (...). São elas a testemunhar a beleza da vida. O arcebispo Oscar Arnulfo Romero dizia que as mães vivem um «martírio materno». Na homilia de um funeral de um padre assassinado pelos esquadrões da morte, ele disse, baseando-se no Concílio Vaticano II:
«Todos devemos estar dispostos a morrer pela nossa fé, mesmo se o Senhor não nos concede esta honra... Dar a vida não significa só ser morto; dar a vida, ter espírito de martírio, é dá-la no dever, no silêncio, na oração, no cumprimento honesto do dever; naquele silêncio da vida quotidiana; dar a vida a pouco e pouco? Sim, como a dá uma mãe, que sem medo, com a simplicidade do martírio materno, concebe no seu seio um filho, dá-o à luz, amamenta-o, fá-lo crescer e cuida dele com afeto. É dar a vida. É martírio». (...)
Sim, ser mãe não significa só pôr um filho no mundo, mas é também uma escolha de vida, a escolha de dar a vida. (...) Uma sociedade sem mães seria uma sociedade desumana, porque as mães sabem testemunhar sempre, mesmo nos piores momentos, a ternura, a dedicação, a força moral.
As mães transmitem também muitas vezes o sentido mais profundo da prática religiosa: nas primeiras orações, nos primeiros gestos de devoção que uma criança aprende, está inscrito o valor da fé na vida de um ser humano. É uma mensagem que as mães crentes sabem transmitir sem muitas explicações: estas chegam depois, mas o germe da fé está nesses primeiros, preciosíssimos momentos. Sem as mães, não só não haveria novos fiéis, mas a fé perderia boa parte do seu calor simples e profundo. (...)
Caríssimas mães, obrigado, obrigado por aquilo que sois na família e por aquilo que dais à Igreja e ao mundo. (...)
[Na saudação aos peregrinos de língua portuguesa, Francisco disse:] Amados peregrinos de língua portuguesa, agradecido pelos votos e preces dirigidas a Deus por mim durante as festividades do Natal, de todo o coração desejo a todos um feliz Ano Novo, pedindo a Nossa Senhora, Mãe de Deus e da Igreja, que seja a estrela que protege a vida das vossas famílias. Que Deus vos abençoe!
Papa Francisco 
Audiência geral, Vaticano, 7.1.2015 

Trad. / edição: Rui Jorge Martins
in http://www.snpcultura.org/papa_entoa_hino_de_louvor_as_maes_e_recorda_oscar_romero.html

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.