Avançar para o conteúdo principal

A família é um bem para a sociedade

A família é um bem para a sociedade, primeiro, porque é o centro onde nascem e crescem os futuros membros da sociedade. As crianças nascem numa família e, ao nascer, fazem parte da família. É no seio da família que recebem a educação a que têm direito. A família é o primeiro laço de transmissão da cultura. Este papel é insubstituível: o ser humano nasce e cresce no seio de uma família; constrói a sua identidade no seio de uma rede de laços de parentesco. Estamos convencidos (mesmo que esta evidência não seja fácil de demonstrar) que um mundo sem família, em que as crianças seriam geradas em máquinas, sem pais, para de seguida se juntarem, seria muito grave para a existência da humanidade.
A família é um bem para a sociedade porque oferece a base afetiva em que se constrói a personalidade. É preciso ser amado, encorajado, para adquirir a confiança suficiente para poder autorrealizar-se como pessoa, tornar-se pessoa ativa e participativa na vida da sociedade. Quando nascemos, temos necessidade de afeto. É deste modo que adquirimos a força interior necessária para viver, para construir, para resistir às adversidades, ultrapassar obstáculos, realizar os projetos.

A família é um bem para a sociedade porque o laço familiar é a primeira experiência de laço social. Certamente, é preciso distinguir família e sociedade. Não se podem reduzir uma à outra. Relativamente a qualquer outro laço, o laço familiar é o primeiro, singular, inalienável e insubstituível. A sociedade não tem vocação para se tornar uma grande família, nem a família para se diluir na sociedade. No entanto, distinguir não significa opor. É na família que se faz a primeira aprendizagem da vida em sociedade. A sociedade, por sua vez, apoia as famílias. Não será preciso alargar o fosso entre as relações sociais conflituosas (nomeadamente profissionais), onde a pessoa não é considerada por si mesma, e as relações familiares meramente afetivas. Por um lado, devemos trabalhar para que as relações sociais possam progredir no sentido da fraternidade, do reconhecimento mútuo das pessoas, do respeito pela sua dignidade. Por outro lado, devemos cuidar para que as nossas famílias estejam abertas ao outro e ao mundo, e que orientem os seus filhos em relação ao futuro.
A família é um bem para a sociedade por causa da solidariedade familiar. Sabemos qual o papel importante que tem a família em caso de problemas no trabalho, na saúde, ou ainda para vir ajudar os pais que têm atividade profissional, ou para apoiar as pessoas mais velhas (na sociedade portuguesa a geração dos "avós" muitas vezes, devido à crise económica, tem a seu cargo os filhos e os netos).
Por fim, a família é um bem para a sociedade porque é um bem para o ser humano. É o berço do homem, o lugar onde é amado por si mesmo, graciosamente, desinteressadamente, em que é reconhecido na sua singularidade e unicidade. É o domínio privilegiado da gratuidade e do dom, da aliança e da comunhão, que são os valores próprios da pessoa. Uma família onde estes valores se vivem, pelo menos se tentam viver, insere-se ativamente na sociedade e contribui para a sua humanização, no sentido de orientar para a realização desejada por Deus: unir os homens, num só corpo.
É certo que nem sempre é assim. Não há famílias perfeitas. Não há educação que não apresente falhas nem que não deixe marcas. Um amor que una, sem lei que separe, pode gerar personalidades indefesas perante os desafios da existência; a maior intimidade pode ser ocasião para a maior violência. Mas não são estas falhas que destroem a ideia principal: a família é uma realidade humana original essencial tanto para o bem da pessoa como para o bem comum da sociedade.

Domingos Lourenço Vieira
In "Brotéria" (agosto/setembro 2014)

Publicado em 08.01.2015
in http://www.snpcultura.org/familia_e_um_bem_para_a_sociedade.html

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -