Avançar para o conteúdo principal

O Sínodo sobre a Família segundo o Papa Francisco

O Papa Francisco iniciou um novo ciclo de catequeses nas suas audiências gerais. O tema será a família. Nesta quarta-feira, dia 10, o Papa Francisco propôs uma catequese em que fez uma leitura sobre o desenvolvimento dos trabalhos do Sínodo Extraordinário sobre os desafios pastorais da família no contexto da evangelização acontecido em outubro deste ano
Quarta-feira, 10 de dezembro, na Praça de S. Pedro tudo se está a preparar para o Natal de Jesus. Numa manhã fria mas banhada por um generoso sol foram largos milhares os peregrinos que acolheram o Papa Francisco para a tradicional Audiência Geral. Tema da Catequese: a Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos sobre a Família do passado mês de Outubro – começando, assim, um ciclo de catequeses sobre a família. O Santo Padre começou, desde logo, por considerar o Sínodo sobre «os desafios pastorais da família, no contexto da evangelização»  como “um momento de grande liberdade, em que cada um expôs o seu pensamento com parresia e confiança”.

O Papa Francisco referiu que pediu aos Padres sinodais que falassem com franqueza e coragem e ouvissem com humildade. Todos puderam falar com grande liberdade e as suas intervenções foram escutadas e recolhidas numa Síntese, a qual foi objeto de debate nos grupos linguísticos do Sínodo e completada, dando origem ao  Relatório Final. O Santo Padre referiu ainda que o Sínodo desenvolveu-se  «cum Petro et sub Petro», isto é, com a presença do Papa, que é garantia para todos de liberdade e confiança e garantia de ortodoxia. O Papa não deixou de declarar que “nenhuma intervenção colocou em discussão as verdades fundamentais do Sacramento do Matrimónio: a indissolubilidade, a unidade, a fidelidade e a abertura à vida”.
São três os documentos oficiais saídos do Sínodo – observou o Papa: “a Mensagem Final, o Relatório final e o discurso final do Papa”. Este é o ponto de chegada de toda a reflexão, tendo agora sido enviada às Conferências Episcopais para se pronunciarem sobre ela e enviarem as suas propostas ao Sínodo Ordinário dos Bispos sobre a família em Outubro do ano 2015.
O Sínodo não é um Parlamento – afirmou ainda o Santo Padre – mas um espaço protegido para o Espírito Santo poder agir no coração de todos. No Sínodo não há fações mas um confronto entre o sentir íntimo dos Padres Sinodais.
“Agora o trabalho continua nas dioceses através da oração, da reflexão e do debate fraterno, tendo em vista o bem das famílias, da Igreja e da sociedade” – concluiu o Papa Francisco terminando a sua primeira catequese sobre a família.
De seguida iniciou as saudações aos vários grupos de fiéis presentes tendo-se dirigido também aos peregrinos de língua poruguesa:
“Caríssimos peregrinos de língua portuguesa, saúdo-vos cordialmente a todos, nomeadamente ao grupo de jovens angolanos guiados pelo padre Estêvão Francisco Tollu, e peço-vos que acompanheis com a oração o caminho sinodal inteiro. A Virgem Mãe nos ajude a seguir a vontade de Deus, tomando as decisões que melhor convêm à família. Rezai também por mim! Deus vos abençoe.”

O Papa Francisco a todos deu a sua benção! (RS)

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.