Avançar para o conteúdo principal

O que mais pesa… DIA ARQUIDIOCESANO DA FAMÍLIA

 A Equipa da Pastoral Familiar do Arciprestado de Vila Nova de Famalicão promoveu, no dia 24 de maio, o Dia Arquidiocesano da Família, no Centro Pastoral Sto Adrião de Vila Nova de Famalicão, alusivo ao tema Solidariedade Familiar. Esta iniciativa surgiu do convite feito pelo Departamento Arquidiocesano da Pastoral Familiar de Braga. Este evento contou com as presenças de D. António Moiteiro, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Braga, do Dr. Bernardino José Torres da Silva, do Departamento Arquidiocesano "Comissão Justiça e Paz" - Arquidiocese de Braga e da Dra. Sofia Fernandes, Vereadora da Família da Câmara de Vila Nova de Famalicão.
Cada orador abordou o conceito de solidariedade segundo a posição que representava.
Assim, o Dr.  Bernardino Silva deu início ao painel,  traçando alguns sinónimos de solidariedade e apresentando dez reflexões sobre o conceito de família cristã, tiradas do encontro do Papa Francisco com as famílias que decorreu no ano transato.  Sobre a solidariedade frisou: “a solidariedade como a qualidade de solidário  é um sentimento de identificação em relação ao sofrimento dos outros”. A nível social temos solidariedade como “os modelos e normativos de sociedades comunitárias, dentro das quais os bens são repartidos para o usufruto comum e as ações são coletivamente praticadas, em regime de cooperação mútua. Na religião, a vida solidária recebe o nome de  fraternidade. Considerando as dez reflexões sobre a Família, destacou que: “O que mais pesa é a falta de amor; Os perigos da família; A graça do sacramento do Matrimónio; A necessidade familiar dos cristãos, A família é para a vida toda;  Com licença, obrigado, desculpa; A família conserva a fé;  A família que ora; A alegria da família e Deus e a harmonia em meio às diferenças”.

Seguiu-se a intervenção da Dra. Sofia Fernandes que mencionou os projetos existentes e implementados pelo Município para apoio às famílias, desde as faixas etárias mais baixas às seniores. Assim, deu destaque às medidas de apoio na educação dos filhos – distribuição gratuita de manuais; apoio na habitação – habitação solidária; descontos para as famílias numerosas nas taxas da água e fornecimento, apoio na ocupação dos tempos livres, apoio nos transportes - descontos para os seniores. Referiu, também, a homenagem feita à Mãe do concelho, a mulher com o maior nº de filhos. Medida que visa promover a natalidade.
Por último, D. António Moiteiro foi incisivo ao referir-se aos sacramentos, ordenando-os como os sacramentos da iniciação na Igreja, da cura e da relação com o outro, respetivamente, o Batismo e a Eucaristia; a Penitência e a Santa Unção e por último o Matrimónio e a Ordem. Realçando os últimos dois sacramentos, os quais existem “quando eu me relaciono com o outro e sou capaz de amar, quando sou capaz de sair de mim mesmo e ir ao encontro do outro”. Aqui é que reside a solidariedade de um cristão.
Desta forma se abordou a solidariedade familiar na Igreja, na sociedade e na política, sublinhando-se o modo como esta se concretiza, apresentando as redes de solidariedade que existem, e que formas de realização comporta. Os oradores elucidaram todos os presentes, elencando e confrontando as várias situações e/ou posições sob a tónica constante de solidariedade.
Depois da exposição do tema pelos diferentes intervenientes no painel, os participantes puderam concluir  e aprimorar a sua reflexão, colocando aos diferentes intervenientes  as suas questões.
No seguimento da Dia Arquidiocesano da Família, prosseguiu-se com a Celebração da Eucaristia presidida pelo senhor D. António Moiteiro. O convívio e a partilha entre os presentes materializou-se no jantar onde houve espaço para os presentes se conhecerem dialogarem sobre as inquietações da pastoral e não só.
O dia terminou em beleza com o concerto levado a cabo pelo grupo musical “Casa de Esmeriz Ensemble”, num saudável ambiente de alegria e confraternização com todos os presentes.
Segundo a opinião de alguns participantes, este Dia Arquidiocesano, revestiu-se de particular interesse para todas famílias da Arquidiocese, onde houve lugar para a  partilha, a reflexão, a espiritualidade e a cultura.

Equipa Arciprestal de Pastoral Familiar


Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -