Avançar para o conteúdo principal

"Papel dos recasados na Igreja"

Cinema, teatro e leitura

O filme "Fiel Companheiro" vai ser exibido esta sexta-feira, 8 de março, no âmbito de um ciclo de três encontros sobre "O papel dos recasados na Igreja", que em vez das habituais conferências ou painéis recorre à leitura, ao cinema e ao teatro.
O tríptico que decorre no Auditório Vita, em Braga, tem como objectivo «começar a criar uma mentalidade de abertura a quem sofre e procura na Igreja a compreensão e não a condenação taxativa de quem não quer procurar formas de dialogar e acolher», refere uma nota enviada ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC).
«Sabemos o quão doloroso é para todos os casais uma separação. Mesmo que, por vezes, uma relação já não parece ter sentido, as dores de uma separação marcam a vida do casal e da família para toda a sua vida. Não terão o direito de serem felizes refazendo as suas vidas? Porque é que ainda hoje encontramos muito desconhecimento, preconceito e pouca vontade em conhecer a doutrina da Igreja também nesta matéria?»
Após a exibição de "Fiel Companheiro", de Laurence Kasdan, abre-se um tempo de comentário protagonizado por Margarida Ataíde, do Grupo de Cinema do SNPC.
A obra, que estreou em 2012, é «capaz de revelar que há vida para além das crises, quando as fraturas obrigam marido e mulher a olhar genuinamente um para o outro, mesmo que inicialmente de forma caótica, com empenho e ajuda dos amigos, até redescobrirem o sentido da sua vida conjugal», escreveu Margarida Ataíde.
Os encontros, que começam às 21h30 e têm entrada livre, terminam no dia 15 com a apresentação da peça "Maria Parda", de Gil Vicente, pela companhia Teatro Ensaio.
A iniciativa começou no dia 1 com a leitura da carta "Aos casais em situação de separação, divórcio e nova união", do cardeal italiano Dionigi Tettamanzi, pelos atores Márcia Breia e António Durães.

Rui Jorge Martins

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.