Avançar para o conteúdo principal

FESTA DA Sagrada Família DE JESUS, MARIA E JOSÉ



30 DE dezembro DE 2012 – ANO C

DA CONFIANÇA 
BROTA A FÉ
FESTA DAS FAMÍLIAS 
FESTA DA COMUNIDADE (FAMÍLIA DE FAMÍLIAS)



 Ideias chave
- A família em estado de peregrina da confiança.
- A família que educa para a confiança faz germinar a fé autêntica
- No entanto, sem perder a consciência de que a peregrinação da fé é um caminho inacabado
- É dever de todos e de todas as famílias cuidar do dom da confiança que gera a fé. A confiança e a fé ainda que sejam muito intensas, estão marcadas pela fragilidade humana, à semelhança da família de Nazaré que, "perdendo Jesus", encontra-o no Templo (Lc).
- Convite a “ampararmos a velhice do pai e a não o desgostar durante toda a sua vida” (Sir)
- Ser família é fazer um compromisso de confiança n'AQUELE que veio e que vem.

SUGESTÕES LITÚRGICAS
1.    Introduzir a celebração lembrando as famílias de hoje, as suas fragilidades e dificuldades, os seus limites e as suas potencialidades, as alegrias e as esperanças…
2.    No rito penitencial ter em conta os pecados da família relativos aos seus membros, à igreja e à sociedade. (Exemplo: a violência doméstica, a irresponsabilidade educativa, a ausência de transmissão de valores cristãos, o desprezo da prática dominical, a falta de tempo para a família, …). Seria importante privilegiar o silêncio criativo e meditativo para que cada um possa interiorizar este momento e se possa colocar diante da misericórdia de Deus para a acolher com alegria.
3.    Na liturgia da palavra, a primeira leitura poderá ser proclamada por um ancião. A segunda em forma dialogada entre marido, esposa e filhos.
4.    A proclamação do Evangelho pode ser colocada em maior evidência com várias crianças ou adolescentes em volta do Ambão, cada uma delas com uma luz/vela.

5.    Segue-se a Homilia que terá em conta a realidade da família de hoje iluminada pelas características evangélicas da Família de Nazaré. Fazer sobressair a confiança da qual brota a fé. A confiança terá a primazia sobre os gestos e as palavras familiares. Pode-se ainda propor um tempo de silêncio após a homilia, convidando cada um a fazer memória da própria família.
6.    No final da Homilia pode proceder-se à celebração gestual das bodas matrimoniais.
7.    Aquando da proclamação do Credo o sacerdote pode simbolicamente fazer a entrega do Credo às famílias que fazem as suas bodas matrimoniais e a outras.
8.    A Oração Universal pode ser feita por namorados ou noivos que estão na faze de preparação para o matrimónio.
9.    Para a preparação do Altar era de todo salutar fazer sobressair a importância da mesa e do que ela significa para a vida familiar. Porque não ser uma família a preparar o Altar, desde a toalha, às flores, às velas…? Porque não ser também uma família a trazer ao Altar o Pão e o Vinho que vão ser consagrados? Este gesto pode ser enriquecido ainda com o facto de as famílias que prepararam o altar ficassem à sua volta até ao momento da comunhão.
10. Porque estamos em tempo de natal sugere-se também o belo gesto do ósculo ao Menino Jesus.
11. No final da Eucaristia distribuir uma pagela com uma oração pela família, onde os pais rezam pelos filhos, os filhos rezam pelos pais e pelos avós, onde os maridos rezam pelas esposas e as esposas rezam pelos maridos…

QUESTÕES PARA A REFLEXÃO
• Este episódio do “Evangelho da Infância” apresenta-nos uma família – a Sagrada Família – que, como qualquer família de ontem, de hoje ou de amanhã, se defronta com crises, dificuldades e contrariedades (essas dificuldades que, em tantos outros casos, acabam por minar a confiança, a unidade e a solidariedade familiar). No entanto, esta é uma família onde cada membro é solidário com o outro e está disposto a partilhar os riscos que o outro corre; esta é uma família onde cada membro aceita renunciar ao comodismo e sacrificar-se para que o outro possa viver; esta é uma família onde os problemas de um são os problemas de todos e onde todos estão dispostos a arriscar, quando se trata de defender o outro… É uma família que sabe em Quem colocou a sua confiança. Por isso, é uma família que se mantém unida. É assim a nossa família? Na nossa família há Confiança? Sentimos os problemas do outro e empenhamo-nos seriamente em ajudá-lo a superar as dificuldades? Aquilo que acontece a um é sentido por todos? A nossa família é, apenas, um hotel onde temos (por um preço módico) casa, mesa e roupa lavada ou um verdadeiro espaço de confiança, de encontro, de partilha, de fraternidade, de solidariedade, de amor?

• A Sagrada Família é também uma família onde se escuta a Palavra de Deus e onde se aprende a ler os sinais de Deus… É na escuta da Palavra que esta família consegue encontrar as soluções para vencer as contrariedades e para ajudar os membros a vencer os riscos que correm; é na escuta de Deus que esta família consegue descobrir os caminhos a percorrer, a fim de assegurar a cada um dos seus membros a vida e o futuro. A nossa família é uma família onde se escuta a Palavra de Deus, onde se procuram ler os sinais de Deus, onde se procura perceber o que Deus diz? Encontramos tempo para reunir a família à volta da Palavra de Deus e para partilhar, em família, a Palavra de Deus? A nossa família é uma família que reza?

• A Sagrada Família é, ainda, uma família que obedece a Deus… Diante das indicações de Deus, não discute nem argumenta; mas cumpre à risca os desígnios de Deus… E é precisamente o cumprimento obediente dos projectos de Deus que assegura a esta família um futuro de vida, de tranquilidade e de paz. A nossa família aceita com serenidade os esquemas e a lógica de Deus e percorre, com confiança, os caminhos de Deus?

• Neste tempo de Natal convém não esquecermos o tema central à volta do qual se constrói o Evangelho que hoje nos é proposto: Jesus é o Deus que vem ao nosso encontro, a fim de cumprir o projecto de salvação que o Pai tem para os homens… A sua missão passa por constituir um novo Povo de Deus, dar-lhe uma Lei (a Lei do “Reino”) e conduzi-lo para a terra da liberdade, para a vida definitiva. Estamos dispostos a acolher Jesus como o nosso libertador e a embarcar com Ele nessa caminhada da terra da escravidão para a terra da liberdade?

CONCRETIZANDO
- Consciência das dificuldades e fragilidades da família e em família, tal como aconteceu com a família de Nazaré
- Aprender a fazer uma peregrinação de confiança nas fragilidades e nas dificuldades
- Partilhar os riscos em comum. Arriscar solidariamente uns com os outros sem ninguém ficar para trás
- Ben Sirá e São Paulo apontam caminhos
- A família de Nazaré escutou e confiou-se plenamente a Deus: Maria superou as dificuldades acreditando; José superou as dificuldades confiando: Jesus era submisso aos seus pais e crescia em graça e em estatura…
- As famílias de hoje, apesar das debilidades e fragilidades, têm soluções e exemplos que a Palavra aponta: como as estão a acolher?

Equipa Arciprestal de Pastoral Familiar

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.