Avançar para o conteúdo principal

FAMÍLIA DA PALAVRA

Porquê sermos famílias cristãs “de palavra”, quando poderíamos viver como autênticas famílias da Palavra? A 26 de outubro de 2008, terminou o Sínodo sobre a Palavra presidido pelo Santo Padre em Roma. Num dos documentos conclusivos, apresentado pelo Mons. Gianfranco Ravasi, fomos convidados a desenvolver uma viajem espiritual onde se descubra, viva e anuncie a Palavra de Deus.
Como fazê-lo em família? Sigamos estas quatro etapas:

Família que descobre a voz da Palavra
A Revelação apresenta-se-nos como uma mensagem viva para a Família. A leitura atenta e saboreada da Palavra de Deus é o alimento primoroso para cada um dos seus membros. A Família que reza unida, permanece unida. Aqueles que bebem do manancial da Bíblia ficarão saciados, sem necessidade de se encher com as coisas do mundo. A meditação da Sagrada Escritura deve ser, para a Família, a experiência de uma leitura viva que a interpela nas actividades do dia a dia. Aprender a recitar os salmos ou a orar o Evangelho é pôr nos nossos lábios, em muitas ocasiões, as mesmíssimas palavras usadas por Cristo.

Família que contempla o Rosto da Palavra
Como contemplar este Rosto? Aprendendo na escola de Maria. Ela soube apreciar com o olhar a face de Cristo naquela casa humilde de Nazaré. Foi a convivência da Sagrada Família com o Filho de Deus, que habitou durante trinta anos com os seus pais, que permitiu apreciar a Palavra em Família. Da mesma maneira, nas nossas Famílias havemos de nos deleitar na contemplação do nosso Salvador que morreu por nós para nos dar a vida. Ao mesmo tempo, podemos aprender a encontrar este Rosto no rosto de cada uma das pessoas com quem nos encontramos no dia a dia. Porque, como disse o apóstolo São João, quem diz que ama a Cristo, que não vê e não ama o seu irmão que vê, é mentiroso (Cf. 1 Jn 4, 20). Por isto, a Família há-de converter-se na escola da contemplação da Palavra.

Família que se reúne na casa da Palavra
O núcleo familiar está chamado a ser o motor que impulsiona a vida interna das paróquias. Os seus membros inserem-se na Igreja, que é domicílio da Palavra. Portanto, é imprescindível estimular a participação atenta na Liturgia da Palavra durante a missa dominical. A Família deve nutrir-se, tanto do banquete da Palavra, como do banquete da Eucaristia. Isto unicamente se consegue se no seio familiar se ensina a valorizar o dom da Lectio Divina e se se interiorizam as exigências da mesma por meio do testemunho, para não deixar que esta proclamação se fique por palavras ocas que cheguem a ouvidos insensíveis.

Família que anuncia o caminho da Palavra
A transmissão do Evangelho é urgente. Muitas famílias já experimentaram a alegria de se entregarem, nalguma ocasião, a uma missão evangelizadora. Hoje, mais do que nunca, a Igreja necessita de famílias comprometidas que anunciem a Boa Nova. As carências do nosso mundo actual exigem-nos, com gritos, o testemunho coerente da Família. Reclamam o exemplo constante da autenticidade da vivência cristã. Exortam a que cada Família se converta num espelho de Cristo através da unidade, da caridade e da coerência de vida. Precisam que cada Família viva genuinamente a mensagem do amor para que impulsionem muitas outras a ser verdadeiras Famílias da Palavra.

H. Laureano López, L.C.
Campanha Virtudes e Valores em família.

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.