Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

O verbo papar

Que marinheiro se lança à aventura oceânica sem controlar se leva na embarcação, não só a vela e os remos, mas também uma âncora? Ou que caminhante enfrenta a sua jornada sem prever tempos e lugares de pausa, que lhe garantam a possibilidade de refazer-se, sentir o conforto de um abrigo e retemperar forças para poder continuar?
Mensagens recentes

O lago

Se tivesse de dizer qual é para mim o lugar mais inesquecível, não teria dúvidas: o lago de Tiberíades. Quando se compara este pequeno mar da Galileia, como os antigos lhe chamavam, com Jerusalém, ele perde em toda a linha.

«É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou»

É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou. Entregar todos os teus sonhos porque um deles não se realizou, perder a fé em todas as orações porque em uma não foi atendido, desistir de todos os esforços porque um deles fracassou.

Sabemos o que é um livro?

Lembro-me de que, em Paris, à entrada de um alfarrabista para os lados de Notre-Dame, vi copiado o início do poema que Walt Whitman dedicou “a um estranho”. E os versos de arranque dizem o seguinte: “Estranho que por mim passas! não sabes com que/ desejo ardente meus olhos te fitam.”

Passemos à outra margem

O tempo constitui fundamentalmente uma espécie de coreografia interior. Dir-se-ia que a própria vida nos solicita a que a escutemos de um outro modo. É com este imperativo que cada um de nós é chamado a confrontar-se: a irresistível necessidade de reencontrar a vida na sua forma pura.

O batizado é chamado a difundir a luz da esperança de Deus, recorda Papa

Depois de suas férias de verão, o Papa Francisco voltou a realizar as Audiências Gerais das quartas-feiras. Sete mil pessoas ouviram na Sala Paulo VI o Pontífice afirmar que "Ser batizado significa ser chamado a difundir a luz da esperança de Deus neste mundo sem esperança".

Somos uma sociedade de "pais helicóptero" que fazem dos filhos reis, avisa psicólogo

O psicólogo Javier Urra defende que os educadores de hoje tendem a tornar-se "pais helicóptero", que supervisionam os filhos de forma constante, superprotegendo as crianças e fazendo-as sentir-se reis e equivocadas na importância do seu papel.