Avançar para o conteúdo principal

Parar, olhar e regressar!

"Para, olha e regressa."

Está iniciado mais um tempo quaresmal. Estamos, uma vez mais, de partida. 

Estamos de volta para Ele. Sim, este é o tempo de atravessarmos o nosso deserto para ficarmos voltados para Aquele que nunca se cansa de nós. 
Não é tempo de muitas festas, mas também não somos convidados a viver em sofrimento. Somos, isso sim, a andarmos de esperanças. Somos desafiados a juntar tudo aquilo que temos e que somos para levarmos até ao Pai. 
Esta é a altura em que lhe levamos, sem vergonha e com um coração autêntico, todas as nossas dúvidas, todas as nossas dores, todas as nossas inquietações, todos os nossos caminhos, todas as nossas alegrias e dores, todas as nossas lágrimas como sinal de vida, todos os nossos olhares perdidos, ao fim e ao cabo, voltamos à Sua casa com tudo aquilo que somos. 
É tempo de parar para conhecer a nossa história. É tempo de parar para conhecer intimamente a Sua história. É tempo de parar para perceber onde a Sua história se entrelaça com a nossa vida. É tempo de parar para que sinta a vida que acontece em mim e nos outros. 
É tempo de olhar para o mundo. É tempo de olhar para as nossas necessidades. É tempo de olhar para aquilo que temos vindo a construir. É tempo de nos olharmos ao espelho para sentirmos a Sua presença. É tempo de olhar o outro para que não o desprezemos. É tempo de olhar com tempo tudo e todos. 
É tempo de regressar. É tempo de regressar para aquilo que somos e não para aquilo que os outros projetam em nós. É tempo de regressar aos Seus braços sem máscaras. É tempo de regressar, porque somos constantemente "filhos pródigos" com imensa "fome" do Pai. 
Parar, olhar e regressar: só assim podemos atravessar os nossos desertos!

Por Emanuel António Dias

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.