Avançar para o conteúdo principal

O bem e o mal não dependem das leis

A sociedade atual tem uma perspetiva tão errada do que são os valores que se julga capaz de os determinar por via de leis.

O que separa o bem do mal não é o mesmo que separa o legal do ilegal. Os valores fundamentais são intemporais, fazem parte da nossa identidade enquanto seres humanos. Não são sujeitos a mudanças. Tentar alterá-los é tão perigoso quanto idiota.
Hoje, muitos atentados contra a vida encontram suporte em leis, que os justificam e até prescrevem.
O aborto, por exemplo, é e será sempre algo condenável, no entanto, de acordo com as perspetivas atuais, chega a ser recomendável em muitos casos, sendo que, para tal, basta a mãe (ou será só mulher? Também pode ser homem que tenha mudado o cartão do cidadão!), não querer o filho (ou será apenas um conjunto insignificante de células?), para que o Estado (nós?) lhe realize essa sua vontade (mas não é involuntária a tal interrupção?).
São muitas as incertezas, os nevoeiros e as contradições quando se debatem estas questões. Mas por que razão, nestes casos, se prefere a morte?
A justificação para o mal contra a vida é paradoxal: em face do sofrimento, existente ou possível, prefere-se pôr-lhe fim imediato. A sociedade apenas solicita que alguém assuma a responsabilidade e exige aos outros que aceitem o gesto sem comentários negativos. Se alguém diante do sofrimento prefere a vida, e escolhe enfrentar esse mal com o bem em que acredita, esse sim, é condenado como se se tratasse de um carrasco!
A vida é feita de dores. Sofrimentos profundos. Não há vida sem infelicidades, pelo que o seu inevitável acontecimento devia ser motivo para nos unirmos na defesa do bem e não para tentarmos acabar o mal com… mal ainda pior.
Matar é um mal, mesmo nos casos em que as leis defendem quem o faz.
A dignidade é o valor que nos chega pelo facto de sermos livres, para o bem e para o mal. Quem escolhe o mal, escolhe-se como indigno da sua liberdade. Se uma mãe e um pai confiam nas decisões de um filho que, depois, no uso dessa liberdade, escolhe o mal, será que os pais se devem alegrar com a liberdade do seu filho? Será ele responsável? E se o que fizer não violar nenhuma lei do seu país?
A eutanásia, outro exemplo, enraíza-se numa ideia de infalibilidade do discernimento, ou seja, de que acertamos sempre no que é melhor para nós mesmos. Na verdade, e por experiência, todos sabemos que muitas vezes nos enganamos a esse respeito. Não sabemos nem fazemos o que é melhor para nós mesmos. No entanto, as leis acreditam que sim.
O que deve alguém fazer diante de uma lei injusta? Cumpri-la por ser lei ou violá-la por ser injusta?

Por José Luís Nunes Martins


Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.